7 de mai de 2017

CORINTHIANS 07/05/2017



CORINTHIANS campeão 1x1 pp
Paulistão 2017- final volta
Local: Arena Corinthians,
Data/Hora: 7 de maio de 2017 (domingo), às 16h
Arb: Leandro Bizzio Marinho, Tatiane Sacilotti Camargo e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (SP)
Público/renda: 46.462 total (46.017 pagantes, 445 nao pag)/ 2.792.212,60
Gols: Romero (17'/2ºT) (1-0) e Marllon (40'/0ºT) (1-1)
Cartões amarelos: Pablo e Romero (COR); Nino Paraíba, Elton e Clayson (pp)
Cartões vermelhos: -

CORINTHIANS campeão paulista 2017: 12-Cássio; 23-Fagner, 4-Balbuena, 3-Pablo, 13-Guilherme Arana; 28-Paulo Roberto, 29-Camacho (9-Clayton 18'/2ºT), 30-Maycon, 77-Jadson (38-Pedrinho 39’/2ºT) e 11-Romero (37-Léo Jabá 44’/2ºT); 7-Jô. Técnico: Fabio Carille + 27-Walter, 2-Léo Principe, 6-Moisés, 14-Léo, 34-Pedro Henrique, 21-Fellipe Bastos, 22-Marciel, 31-Marquinhos Gabriel, 18-Kazim. titulares que não atuaram hj: 5-Gabriel, 26- Rodriguinho


pp: 1 Aranha: 2 Nino Paraíba; 3 Marllon, 4 Kadu e 6 Arthur; 5 Fernando Bob, 8 Elton e 10 Jadson (19 Ravanelli – intervalo); 7 Clayson (21 Lins – 32’/2ºT), 9 William Potkker e 11 Lucca (22 Yuri – 22’/2ºT). Técnico: Gilson Kleina +  12 João Carlos,  13 Jeferson, 15 Reynaldo, 14 Fábio Ferreira, 17 Wendel, 16 Naldo, 18 Fábio Braga, 20 Renato Cajá































#PrimeiraForça! Corinthians é campeão paulista de 2017

Timão vence Ponte Preta na Arena Corinthians na partida de volta da final do Paulistão Itaipava e conquista o 28º título estadual da história do clube do Parque São Jorge


17h53 07/05/2017 - Agência Corinthians






Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians


A primeira força do estado de São Paulo! O Corinthians é campeão paulista de 2017! O Timão conquistou o 28º título estadual ao empatar a Ponte Preta por 1 a 1 na Arena Corinthians, neste domingo (07), no jogo de volta da final do Paulistão Itaipava. Ángel Romero marcou o gol alvinegro.

A campanha da 28ª conquista paulista do Timão teve 10 vitórias, seis empates, duas derrotas, 21 gols marcados e 11 sofridos em 18 partidas disputadas. Goleador dos clássicos, Jô terminou como o artilheiro alvinegro no campeonato, com seis gols.

O Corinthians volta a ser campeão paulista após quatro anos da última conquista estadual, em 2013.

Timão escalado: Assim como o técnico Fábio Carille havia antecipado já na semana passada e também em coletiva de imprensa, na última sexta (05), o Alvinegro entrou em campo com Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo, Guilherme Arana; Paulo Roberto, Maycon; Jadson, Camacho, Romero; e Jô. Paulo Roberto e Camacho foram os escolhidos para substituir Gabriel e Rodriguinhos, respectivamente.

Início de jogo equilibrado: Apesar de a Ponte Preta precisar sair para o jogo, a partida começou bastante parelha. O sistema defensivo do Timão esteve, mas uma vez bem postado, o que dificultava as ações da equipe de Campinas. No ataque, o Corinthians chegava com boas trocas de passe e também nas bolas paradas, porém sem muito perigo ao gol defendido por Aranha.

Primeiras chances: Aos 26 minutos, Jadson arriscou um chute colocado de perna esquerda e Aranha precisou se esticar todo para evitar aquele que seria o primeiro gol do Alvinegro no jogo. Depois, aos 29 minutos, Jadson cruzou para Romero, que deixou para Maycon. De pé esquerdo, o camisa 30 chutou na trave direita. Jô ainda tentou no rebote, mas a defesa bloqueou a batida.

Alvinegro ataca no finzinho: Já na reta final da primeira etapa, aos 40 minutos, Jô abriu com Fagner, que carregou pela direita e cruzou de volta para Jô. Ele tentou, de primeira, marcar, mas o chute não saiu como esperava e a bola passou pelo lado esquerdo do gol.

Ponte Preta avança no segundo tempo: A etapa complementar começou com a equipe de Campinas tentando buscar o gol. O Alvinegro passou a apostar ainda mais nos contra-ataques.

Romero abre o placar: Aos 16 minutos, o zero finalmente saiu do placar. Jadson deu lindo passe para Romero, que chutou. Aranha defendeu, mas o paraguaio aproveitou o rebote para balançar a rede! Foi seu segundo gol no Paulistão Itaipava, o terceiro no ano e o 18º na Arena Corinthians, consolidando-se ainda mais na artilharia da casa do Timão.

No grito da Fiel: Depois do gol e, em seguida, a partir dos 30 minutos, a torcida já gritava a plenos pulmões "É campeão! É campeão!" O telão da Arena Corinthians também mostrou alguns dos heróis do título de 1977, que foram aplaudidos e tiveram os nomes gritados pela Fiel.

1 a 1: Aos 40 minutos, a Ponte Preta empatou a partida com Marllon.

Terrão em campo: Quando, aos 40 minutos, Fábio Carille colocou Pedrinho no lugar de Jadson, e Léo Jabá no lugar de Romero, aos 44 minutos, a torcida foi à loucura!

Campeão!: O juiz não quis saber de acréscimos e, aos 45 minutos, apitou o fim do jogo. Pela 28ª vez na história, o Corinthians é campeão Paulista!









Após título do Paulistão, Cássio quebra mais um recorde com a camisa do Corinthians
Caneco de 2017 foi o sexto do goleiro pelo Timão, que fez dele o jogador com mais conquistas entre os companheiros de posição na história do clube. Veja quem ele deixou para trásCássio se tornou o goleiro com mais títulos com a camisa do Corinthians (Marco Galvão/Fotoarena)
7/05/2017 20h11


Um dos maiores ídolos da história do Corinthians, Cássio escreveu mais um capítulo glorioso dentro do Parque São Jorge, neste domingo (7 de maio). Com o título do Campeonato Paulista sobre a Ponte Preta, o goleiro chegou ao sexto título com a camisa do Timão, tornando-se o goleiro com mais canecos na história da equipe.

Ele deixou para trás nomes importantes, como Ronaldo, Dida e Gylmars, todos com cinco conquistas dentro do clube. Ao lado de Danilo, ele é o remanescente da conquista da Libertadores e do Mundial de Clubes de 2012.

Após vencer por 3 a 0 em Campinas, o Corinthians entrou em campo com a vantagem e 'deitou' nela. O empate em 1 a 1 na Arena fez o time ganhar mais um título de Paulistão, o 28º da história.







2 + 6 = 8: à la Basílio, Rodriguinho é decisivo em conquista do Corinthians


O herói do Corinthians na vitória em Campinas
Rodriguinho é o jogador mais eficiente do Corinthians na temporada e contribuiu com o título do Paulistão ao marcar duas vezes e dar uma assistência no triunfo por 3 a 0 sobre a Ponte Preta, em Campinas, no jogo de ida. Na Arena Corinthians, só entrou para a festa!




No Paulistão de 2017, quatro gols e duas assistências(Foto: Marco Galvão)

No Paulistão/2017, Rodriguinho fez quatro gols e deu duas assistências(Foto: Daniel Augusto Jr)

No Paulistão de 2017, quatro gols e duas assistências(Foto: Marco Galvão)

No Paulistão de 2017, quatro gols e duas assistências(Foto: Daniel Vorley)
No Paulistão/2017, quatro gols e duas assistências(Foto: Mauro Horita)


Gabriel Carneiro - 07/05/2017 - 20:21

Um puxão em Fernando Bob poderia ter mudado a história de Rodriguinho como jogador do Corinthians. Ele já havia feito o primeiro gol das finais do Campeonato Paulista contra a Ponte Preta, mas tomou um cartão amarelo aos 30 minutos do primeiro tempo que o deixou suspenso do jogo de volta - além disso, a Fiel torcida já não é das mais pacientes com o futebol de seu camisa 26... Em vez da mágoa antecipada, o meia se motivou, fez um gol, deu uma assistência e saiu do Moisés Lucarelli como herói do título do Timão. Sim, herói. Estava tudo resolvido logo no primeiro jogo.

Em seu primeiro título como titular do Corinthians após quase quatro anos no clube, Rodriguinho teve participação fundamental. Na reedição da histórica final de 1977, o Timão teve em campo um tipo de camisa 8, como foi Basílio, autor do gol que encerrou a fila de 23 anos sem títulos do clube há 40 anos. Na soma dos dois algarismos da camisa que veste desde o início da passagem pelo Parque São Jorge, o meia encarnou o espírito do Pé de Anjo.


O campeão paulista marcou gols em todas as fases eliminatórias do Paulistão: anotou o único nos dois jogos contra o Botafogo pelas quartas de final, mais um no Morumbi pela ida das semifinais, diante do São Paulo, e dois no primeiro jogo da final, em Moisés Lucarelli, contra a Ponte Preta. Nem precisava jogar o confronto de volta...
- Depois de tantas mudanças ano passado, o Rodriguinho puxou a responsabilidade para ele e foi, na minha opinião, o melhor do Corinthians no segundo semestre do ano passado, assumindo a responsabilidade de armar e fazer gols. Neste ano ele foi prejudicado na pré-temporada por uma dor no joelho, mas nas últimas semanas treinou, fortaleceu e o futebol dele cresceu - identifica o técnico Fábio Carille, que neste ano quase perdeu seu camisa 26.

Ainda em janeiro deste ano, o Fenerbahce (TUR) procurou o Corinthians para comprar Rodriguinho que, aos 29 anos, desejava atuar pela primeira vez no futebol europeu. O Timão rejeitou a oferta que o próprio meia disse que era "satisfatória", e pouco depois acertou a renovação contratual até o fim de 2019 - o vínculo anterior vencia em dezembro deste ano. Para coroar o novo contrato, atuações decisivas e a primeira taça como titular.

Rodriguinho esteve em campo em 14 dos 18 compromissos do Corinthians no Campeonato Paulista, com quatro gols marcados e duas assistências. Em sua trajetória pelo Timão são 101 partidas e 20 gols. A de número 102 não vai acontecer no Paulistão de 2017. E nem precisava.














Corinthians fatura o Campeonato Paulista Corinthians é o campeão paulista de 2017 


Pode soltar o grito, Fiel. Na tarde deste domingo (7 de maio), o Corinthians faturou o Campeonato Paulista pela 28ª vez em sua história. O empate bastou para o time de Fabio Carille, que havia vencido a Macaca em Campinas por 3 a 0.

Mesmo desfalcado da dupla Gabriel e Rodriguinho, o Corinthians entrou em campo tranquilo e praticamente não passou sufoco. Com o meio-campo reforçado na marcação e sem se expor, o Timão explorava os contra-ataques com frequência e praticamente não dava chances à Macaca, que tinha a bola, mas pouco criava.

Na melhor chance da Ponte no primeiro tempo, Clayson cobrou falta de longe e mandou por cima da meta de Cássio. No contra-ataque, Jô, Romero e Jadson ditavam o ritmo da partida e chegavam com frequência ao gol de Aranha. Na grande chance do primeiro tempo, o paraguaio acertou a trave direita do goleiro campineiro.

No segundo tempo, precisando de três gols, a Ponte tentou partir para cima, mas mostrava cansaço e deficiência técnica nos lances de ataque. E em um dos erros de passe no campo de defesa nasceu o gol do Corinthians. Romero recebeu cara a cara com Aranha, mandou em cima do goleiro a primeira finalização, mas aproveitou a sobra e colocou para o fundo das redes, fazendo Itaquera explodir de alegria.

A Ponte partiu de vez para o ataque e assustou em chutes de Nino Paraíba e em cobrança de falta de Ravanelli. Nos minutos finais, Marlon fechou cruzamento na segunda trave e conseguiu o empate da Macaca. Porém, só restava aos pontepretanos lamentar mais um vice e ver a festa da torcida do Corinthians para mais um título estadual.








Fiel dá show e quebra recorde de público da Arena Corinthians

Recorde anterior pertencia à goleada de 6 a 1 sobre o São Paulo, em 2015, quando 44.976 pagantes estiveram na casa da Fiel


18h00 07/05/2017 - Agência Corinthians






Bruno Teixeira


A Fiel, mais uma vez, deu show. Neste domingo (07), o Corinthians enfrentou a Ponte Preta no segundo jogo da final do Paulistão e conquistou o título estadual pela 28ª vez na história. A torcida corinthiana compareceu em peso e quebrou o recorde de público em jogos do Timão na Arena Corinthians com a marca de 46.076 pagantes. O Timão empatou com a equipe campineira por 1 a 1 com gol de Ángel Romero.

O recorde anterior pertencia à goleada do Corinthians por 6 a 1 sobre o São Paulo em jogo válido pela antepenúltima rodada do Campeonato Brasileiro de 2015. Na ocasião, 44.976 pagantes estiveram no novo estádio corinthiano.

DIA ESPECIAL NA ARENA CORINTHIANS

O 07 de maio ficará cravado na história do Sport Club Corinthians Paulista e da Arena Corinthians. Além da conquista do 28º título do Paulistão e da quebra de recorde de público, o Timão alcançou a marca de 100 jogos disputados na casa alvinegra.

Confira os 10 maiores públicos do Timão na Arena Corinthians:

1 – Corinthians 1 x 0 Ponte Preta – Paulistão 2017 – 46.017 pagantes

2 – Corinthians 6 x 1 São Paulo – Brasileirão 2015 – 44.976 pagantes

3 – Corinthians 2 x 1 Coritiba – Brasileirão 2015 – 43.688 pagantes

4 – Corinthians 1 x 0 Flamengo – Brasileirão 2015 – 43.515 pagantes

5 – Corinthians 2 x 2 Nacional (URU) – Libertadores 2016 – 43.098 pagantes

6 – Corinthians 1 x 1 São Paulo – Paulistão 2017 – 43.008 pagantes

7 – Corinthians 2 x 0 Cerro Porteño (PAR) – Libertadores 2016 – 42.403 pagantes

8 – Corinthians 1 x 1 São Paulo – Brasileirão 2016 – 42.099 pagantes

9 – Corinthians 3 x 0 Joinville – Brasileirão 2015 – 41.809 pagantes

10 – Corinthians 2 x 0 Santos – Brasileirão 2015 – 41.748 pagantes
#PrimeiraForça: campeão paulista de 2017, Corinthians aumenta hegemonia estadual

Há 20 anos que o Timão se mantém como o maior campeão paulista, agora com seis taças de vantagem para os rivais


18h00 07/05/2017 - Agência Corinthians






Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians


Com a conquista do 28º título paulista nesta temporada, o Corinthians se reafirma como o maior campeão do estado de São Paulo. O Timão mantém essa hegemonia desde 1997, aumentando cada vez mais a vantagem sobre os rivais.

A coleção de taças paulistas do Timão começou a ser montada em 1914, ano do primeiro título da história do futebol do clube do Parque São Jorge. Ao longo do tempo, foi crescendo, até 1939, quando o Alvinegro foi campeão estadual pela 11ª vez, empatando com o Paulistano como maior vencedor.

Em 1941, com a 12ª conquista, o Timão passou a ser o "campeão dos campeões", como diz o hino corinthiano. Até 1954, ano do histórico título do IV Centenário, o 15º no geral, o Corinthians sempre esteve no topo da lista, apenas o dividindo com o Palmeiras em 1950.

Porém, com o jejum de quase 23 anos sem títulos, o Corinthians chegou a perder a hegemonia estadual por 10 anos, de 1972 a 1982. Quando o Timão foi campeão pela primeira vez com a Democracia Corinthiana -- o 18º no geral, voltou a estar no topo com o Palmeiras. Com o bicampeonato da histórica equipe de Sócrates, Casagrande, Wladimir, Biro-Biro, Zenon e cia, o Alvinegro voltou a ser absoluto no estado de São Paulo.

Desde então, chegou a ter dois momentos dividindo a hegemonia com o Palmeiras: em 1994 e 1996. Mas após a conquista de 1997, a 22ª, o Corinthians nunca mais deixou de ser o "campeão dos campeões" em São Paulo.

Após ser campeão paulista de 2017, o Timão agora tem seis títulos de vantagem para Palmeiras e Santos, que têm 22.

Você encontra esta e outras informações no aplicativo oficial Almanaque do Timão e no aplicativo oficial do Sport Club Corinthians Paulista, ambos disponíveis em sistemas iOS, na Apple Store, e Android, na Google Play Store.

PUBLICIDADE


Romero marca contra a Ponte Preta na final e segue como artilheiro da Arena Corinthians

No 100º jogo da Arena, o camisa 11 marcou seu 18º gol e segue artilheiro do estádio corinthiano


19h00 07/05/2017 - Agência Corinthians






Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians


Neste domingo (07), o Corinthians empatou com a Ponte Preta por 1 a 1 no jogo de volta da final do Campeonato Paulista de 2017 e levantou o título de campeão. Na Arena Corinthians, Romero marcou o gol alvinegro e segue isolado como maior artilheiro do estádio corinthiano com 18 gols.

O Timão soma 28 títulos estaduais e é o maior campeão paulista da história. Na reedição da histórica final de 77, o camisa 11 do Timão marcou o primeiro gol da partida após grande lançamento de Jadson. Substituído no segundo tempo, Romero saiu ovacionado pela Fiel.

No Corinthians desde 2014, o paraguaio Ángel Romero disse em sua chegada: "Foram muitas coisas que me fizeram escolher o Corinthians, sabemos que é um clube muito grande do Brasil. Quero mostrar dentro de campo o porquê me trouxeram para cá." E mostrou.

Após o apito final, Romero comemorou muito com a já tradicional bandeira do Paraguai.

“Sempre focados, treinando forte e humildes. Assim, conquistamos o título”, afirmou o camisa 11. “Vai ficar na minha memória para sempre fazer este gol do título”, complementou.

Romero também parabenizou a torcida, que apoiou durante os 90 minutos de jogo e reiterou: “Este foi o gol mais importante da minha carreira”.
Após título inédito, Fagner lembra da desconfiança de todos no início do ano

Camisa 23 exaltou a conquista do Paulistão Itaipava e comentou sobre o trabalho desenvolvido e que vai ficar marcado em sua história


20h00 07/05/2017 - Agência Corinthians






Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians


Criado no Terrão, o lateral-direito Fagner foi peça fundamental para que o Corinthians conquistasse o Paulistão Itaipava 2017 pela 28ª vez em sua história. Depois de sua volta, em 2014, este é o segundo título que o camisa 23 conquista com a camisa alvinegra – também levou o Brasileirão de 2015.

“Duas vezes batemos na trave na semifinal. Agora, conseguimos e é uma coisa que não tem preço”, comentou Fagner. “Vai ficar guardado para sempre na minha memória”, completou o lateral.

Ele lembrou da desconfiança de todos no início do ano: “Serviu para muita gente respeitar a camisa do Corinthians e os profissionais que estão aqui. Cada um pode ter sua opinião, desde que respeite a instituição”, afirmou. “A melhor coisa que poderíamos fazer era ficar quietos e trabalhar. Graças a Deus, conseguimos coroar um título inédito para mim e importante para todo mundo”, complementou.

Seu foco agora é seguir trabalhando para fazer história no clube e retribuir o carinho da Fiel. “Já falaram que a gente vai brigar no meio da tabelo no Brasileiro. Continuem falando assim, isso dá combustível para nós”, finalizou.












Camacho exalta título do Paulistão após perda de seu pai

Titular na decisão deste domingo (07), o camisa 29 também falou da importância de seus familiares e companheiros de equipe para superar a dor


20h05 07/05/2017 - Agência Corinthians






Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians


Depois de viver o drama da morte de seu pai, Camacho teve a responsabilidade de, neste domingo (07), substituir Rodriguinho na partida de volta da decisão do Paulistão Itaipava. Ele ajudou o Timão no empate em 1 a 1, que garantiu o 28º título do Paulistão Itaipava para o Timão.

“Minha vida não voltou ao normal, mas o título ajuda a amenizar”, comentou o camisa 29. “Espero buscar mais títulos para seguir amenizando a dor e para reorganizar a minha vida”, complementou.

Camacho também falou sobre o apoio que recebeu de seus companheiros de equipe. “Esse grupo foi sensacional, fizeram coisas que eu nem esperava. Só tenho a agradecer eles também”, disse.

Jadson: “Poucos tiveram a chance de serem campeões pelo Corinthians. Eu fui duas vezes”

Pouco mais de três meses depois de sua volta, camisa 77 levanta mais um troféu com a camisa alvinegra e exalta grupo “desacreditado”


20h10 07/05/2017 - Agência Corinthians






Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians


No dia 6 de fevereiro deste ano, Jadson retornou ao Corinthians após passagem de um ano pela China. Três meses e um dia depois, o camisa 77 – em homenagem ao título Paulista de 1977 – levantou sua segunda taça com a camisa alvinegra: a de campeão do Paulistão Itaipava 2017.

“Para mim, foi muito importante voltar ao Corinthians e, no primeiro campeonato, ser campeão é muito prazeroso”, comentou o meia após a conquista. “Poucos tiveram a oportunidade de serem campeões pelo Corinthians. Eu fui duas vezes”, lembrou Jadson, que foi fundamental também na conquista do Brasileirão de 2015.

“Estou muito feliz pelo grupo, que foi desacreditado e deu a volta por cima”, completou o camisa 77, recordando que o Timão era considerado a quarta força entre os grandes clubes de São Paulo.

Em coletiva de imprensa, Fábio Carille exalta maturidade do grupo campeão do Paulistão Itaipava

Técnico também falou sobre as promessas que fez em sua apresentação, em dezembro do ano passado, e da recuperação da consistência defensiva


21h00 07/05/2017 - Agência Corinthians






Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians


Neste domingo (07), Fábio Carille consagrou-se campeão do Paulistão Itaipava com o Corinthians após empate com a Ponte Preta por 1 a 1, na Arena Corinthians. Após vencer a partida de ida, em Campinas, por 3 a 0, a equipe corinthiana chegou ao seu 28º campeonato paulista.

Com um desempenho constante durante toda a competição, o técnico do Timão prometia comprometimento e seriedade no elenco no dia 22 de dezembro do ano passado, quando foi apresentado oficialmente como técnico do clube. "Futebol é momento, eu sei bem disso. Não prometi esse título, nunca falei que seríamos campeões. Mas prometi uma equipe organizada. Dentro disso se criou um ambiente muito bom entre eles, o que fortalece o time. Busco equilíbrio ainda, quero tornar a equipe mais agressiva", disse em coletiva de imprensa, após a conquista.

"Até o jogo do Palmeiras, todos os dias foram difíceis. Mas o grupo mostrou muita maturidade e personalidade de ir para o CT, quietinho, treinar com intensidade. Eu sei assimilar bem, ficar na minha, mas tinha preocupação com os jovens, com os que estão chegando, essa pressão toda. Administrar isso não foi fácil, mas acabou dando resultado", afirmou.

"Dos dez campeonatos paulistas em que tivemos a melhor defesa, eu participei de nove como auxiliar. Ano passado, mudamos muito o elenco, desandou com algumas saídas. Tentamos trabalhar, corrigir, jogadores chegando e precisando dar resposta rápida. Aqui, aguardamos os jogadores darem resposta, mas naquele momento aceleramos o processo. Fico muito orgulhoso de retomar essa marca do Corinthians, o perfil", disse o comandante do título.

Carille recordou de sua passagem como jogador pelo Timão – quando também foi campeão Paulista. “Já se passaram 22 anos desde que eu passei pelo Corinthians. Ganhamos a Copa do Brasil em cima do Grêmio e o Paulista de 1995. Em 1996, íamos disputar três campeonatos, então precisávamos de elenco grande. Chegou no fim do ano o Eduardo Amorim quis que eu continuasse, mas empresários do Paraná compraram meu passe”, esclareceu.

Neste ano, o técnico do Timão ainda vai disputar o Brasileirão, além da Sul-Americana – que já está sendo disputada e terá mais um desafio para o Alvinegro já nesta semana, diante da Universidad de Chile, nesta quarta-feira (10), no Chile. Questionado sobre o que esperar do Timão no restante da temporada, Carille foi curto: “Vocês podem colocar o Corinthians como favorito ou como 20ª força do Brasileirão, mas eu vou seguir da mesma forma”.




















Roberto de Andrade: ''Mostramos dentro de campo a dedicação dos atletas''

Presidente falou sobre as críticas que o elenco recebeu e exaltou o trabalho desempenhado pelo técnico Fábio Carille


21h05 07/05/2017 - Agência Corinthians






Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians


“Trabalho e humildade levam a títulos”. Com estas palavras, o presidente Roberto de Andrade exaltou a conquista do 28º título do Paulistão Itaipava, na tarde deste domingo (07), após empate em 1 a 1 diante da Ponte Preta, na Arena Corinthians.

“Mostramos dentro de campo a dedicação dos atletas e todas as críticas serviram de estímulo e combustível”, disse Andrade. Segundo o Presidente, os atletas se fecharam por esta conquista. “São maravilhosos e se entregaram demais pelo título. Eles entenderam a ideia e trabalharam em paz.”

Andrade também comentou sobre o excelente trabalho desempenhado por Fábio Carille. “A avaliação dele é a melhor possível. Já sabíamos da competência dele e da boa relação que tinha com os atletas. [O título] foi merecido pelo trabalho de um cara muito sério”, finalizou.













Esquenta da Fiel: Torcedor que estreou no estádio na final da Copinha de 2005
Quando o Corinthians vence a Copa São Paulo de Futebol Júnior, no dia 25 de janeiro, é quase certo que a equipe principal também será campeã. Desde a conquista de 1995, apenas em 2004 o Timãozinho levantou o caneco e o Timão não.

14h00 07/05/2017 - Agência Corinthians
Em 2005, o estudante de educação física Renan Bastos dos Santos, 20 – que chegou cedo na Arena Corinthians para curtir o Esquenta da Fiel –, estava indo ao estádio pela primeira vez justamente no dia 25 de janeiro. Corinthians e Nacional se enfrentavam na decisão da Copinha, no Estádio do Pacaembu.

“Eu lembro que eu era pequeno e, quando chegamos na Praça Charles Miller, parecia um formigueiro de tanto corinthiano que tinha. Meu pai levou a família inteira, eu, meus dois irmãos e minha mãe, e nenhum de nós tinha ingresso. Conseguimos comprar e, na hora de entrar, a polícia praticamente abriu um mar de torcedores para gente passar. Foi muito marcante para mim”, lembrou.

Na final, o Timãozinho venceu o Nacional, de virada, por 3 a 1 – gols de Dinélson (2x) e Bobo – e levou a sexta Copinha de sua história – 36 anos depois de vencer sua primeira, justamente contra o Nacional, em 1969. Neste domingo (07), Renan, ao lado de seu pai, Beto, tem a chance de ver uma história parecida ser escrita: 40 anos depois de o Alvinegro bater a Ponte Preta na final do estadual de 1977, as duas equipes decidem o Paulistão Itaipava.

“Óbvio que eu não era vivo em 1977, mas já assisti àquela final umas 10 vezes e sei da importância daquele título para toda a nação corinthiana. É muito emocionante estar na primeira final dentro da Arena e espero que a gente saia com a vitória e o título”, completou.

Timãozinho campeão é quase sinônimo de taça na equipe principal
1969 – Campeão da Copinha, mas sem títulos no principal
1970 – Campeão da Copinha, mas sem títulos no principal
1995 – Campeão da Copinha, do Paulista e da Copa do Brasil
1999 – Campeão da Copinha e do Paulista
2004 – Campeão da Copinha, mas sem títulos no principal
2005 – Campeão da Copinha e do Brasileiro
2009 – Campeão da Copinha, do Paulista e da Copa do Brasil
2012 – Campeão da Copinha, da Libertadores e do Mundial
2015 – Campeão da Copinha e Brasileiro
2017 – Campeão da Copinha e na final do Paulistão Itaipava

Tia Wanda curte Esquenta da Fiel antes da final do Paulistão Itaipava
Depois de ter perdido as contas de quantas finais do Timão já acompanhou – inclusive a de 1977 –, ela aposta em mais uma vitória e título do Alvinegro neste domingo (07)

14h00 07/05/2017 - Agência Corinthians
Se você já esteve no setor Sul da Arena Corinthians, provavelmente já escutou uma simpática senhora na primeira fileira gritar a plenos pulmões: “Vai Corinthians!”. Tia Wanda é uma das torcedoras mais famosas do Timão e não perde um jogo na Arena. Na decisão deste domingo (07), diante da Ponte Preta, ela chegou cedo para curtir o Esquenta da Fiel.

Aos 68 anos, Tia Wanda perdeu as contas de quantas vezes viu o Corinthians ser campeão dentro do estádio – inclusive, estava no Morumbi naquele dia 13 de outubro de 1977, quando o Alvinegro bateu a Ponte Preta por 1 a 0 e levantou o título depois de 23 anos de jejum. “Quase terminando o jogo e eu dizia: ‘hoje, vai dar!’ Aí, o Basílio fez aquele gol maravilhoso e eu quase me joguei lá de cima”, brincou.

40 anos depois, ela espera ter a mesma alegria daquele dia na tarde deste domingo (07). “Para mim, vai ser 3 a 0 e o Romero vai marcar um gol do meu lado para dar um beijinho na minha bandeira [do Paraguai, que ela sempre traz nos jogos]”, apostou.

Esquenta da Fiel: casal de Campinas vem à Arena Corinthians torcer pelo Timão na final
Juscelino Vieira Mendes, que esteve em dois dos três jogos da decisão do estadual de 1977, e Marina Oliveira Mendes chegaram cedo para aproveitar o Esquenta da Fiel

13h15 07/05/2017 - Agência Corinthians

Bruno Teixeira

O casal formado pelo advogado e professor Juscelino Vieira Mendes, 63 anos, e pela massoterapeuta Marina Oliveira Mendes, 62 anos, chegaram cedo à Arena Corinthians para o confronto final entre Corinthians e Ponte Preta que definirá o campeão paulista de 2017. Os dois vieram de Campinas, no interior do estado, e aproveitaram para curtir o Esquenta da Fiel, evento que está na quinta edição neste domingo (07).

Juscelino era um dos milhares de loucos que estavam no Morumbi na segunda e na terceira partidas da decisão do Paulista de 1977 entre Corinthians e Ponte Preta. “Lembro que na derrota [2 a 1 para a Ponte Preta, no dia 9 de outubro de 1977], pensei: ‘será que nós vamos ficar mais um ano na fila?’ Depois, no terceiro jogo, foi só festa”, recordou o advogado.

Hoje, espera que a sorte que deu ao Alvinegro em 1977 se mantenha. “Quando eu me casei e mudei de São Paulo para Campinas, o Corinthians ainda não tinha sido campeão. Meu filho nasceu em janeiro de 1977, e quando voltei do jogo, saí nas ruas de lá para comemorar com ele. Espero que hoje eu repita isso, já que meus três filhos são corinthianos e meu netinho também", contou.

Marina sempre acompanhou Juscelino nos estádios. “Íamos sempre ao Pacaembu e também sempre estamos aqui”, disse a massoterapeuta, que acredita em nova vitória do Timão e título. “Vai ser 2 a 0 para nós, pois quero gritar gol e ‘É campeão!’”, brincou.













Herói de 1977, Basílio encontra torcedores no Esquenta da Fiel antes da decisão do Paulistão Itaipava

Pé de Anjo tirou fotos e distribuiu autógrafos aos torcedores que compareceram à festa antes da grande final da competição estadual


14h00 07/05/2017 - Agência Corinthians






Bruno Teixeira


No dia 13 de outubro de 1977, João Roberto Basílio mudou o curso da vida de milhares de loucos. Foi o autor do gol que deu o título paulista para o Corinthians, diante da Ponte Preta, e tirou o Alvinegro de um jejum que durava quase 23 anos. Neste domingo (07), Basílio estará mais uma vez bem próximo à Fiel em mais um Corinthians x Ponte Preta que decidirá quem será o campeão do Paulistão Itaipava. “Hoje, eu vim a trabalho de novo. Desta vez, vou ser comentarista de uma rádio”, disse o Pé de Anjo.

“Para mim, é uma coisa de Deus mesmo, depois de 40 anos nós revivermos tudo o que passamos lá atrás”, comentou Basílio entre autógrafos e fotos com os torcedores que estavam curtindo o Esquenta da Fiel. “Eu espero encontrar esses corinthianos maravilhosos, que sempre nos enchem de carinho. É muito importante estar próximo deles em mais este momento histórico, 40 anos depois”, completou.









Corinthians abre larga vantagem sobre os rivais em títulos paulistas
Timão chegou ao 28° título estadual em sua história. Agora são seis a mais que os rivais mais pertosCorinthians abriu longa vantagem sobre os rivais nas conquistas de estaduais (Marco Galvão/ Fotoarena)
7/05/2017 17h09

Já diz o hino: “O campeão dos campeões”. Na tarde deste domingo (7 de maio), o Timão levantou a taça do Campeonato Paulista pela 28ª vez em sua história, abrindo larga vantagem em cima dos rivais da capital. Na atual década, é a segunda vez que o Alvinegro leva o Paulistão. O mais recente título havia sido em 2013
Com a conquista, o Corinthians abre grande frente com 6 titulos a mais







Corinthians vai retomar negociação por Clayson e quer mais reforços

 Gabriel Carneiro e Guilherme Amaro - 07/05/2017 - 20:39

A conquista do Campeonato Paulista não faz o Corinthians se acomodar para o restante da temporada. A diretoria alvinegra entende que, apesar do título estadual, o elenco precisa ser reforçado para o segundo semestre, quando o Timão disputará a Copa Sul-Americana e o Campeonato Brasileiro.

Uma das contratações possíveis é a do atacante Clayson, da Ponte Preta. Os clubes iniciaram negociações há algumas semanas, mas interromperam por conta da decisão do Estadual. As tratativas agora serão retomadas:

- Não tem nada agora, ainda nem saí do estádio! Mas vamos voltar a conversar agora, sim. Por enquanto, não tem nada certo com o jogador ou com a Ponte - afirmou o presidente Roberto de Andrade, na saída da Arena.

O gerente de futebol alvinegro, Alessandro Nunes, afirmou que outras posições além do ataque podem ser reforçadas. Contudo, ele não quis comentar quais setores são vistos como carentes pela direção:

- Nosso momento financeiramente não é positivo para trazer muitos atletas, mas com certeza temos coisas em andamento para qualificar o elenco - disse o cartola, que também exaltou Clayson.

- Na minha opinião foi um baita destaque no Paulistão, se pudermos contar com ele, vamos ficar muito felizes! - declarou.

Alessandro também não quis falar em quantidade de jogadores que chegarão. Além de contratar, o clube também planeja emprestar alguns atletas que têm sido pouco aprovados







ATUAÇÕES: Jadson e Romero brilham em jogo do título corinthiano


Guilherme Amaro e Bruno Grossi - 07/05/2017 - 18:41
O Corinthians conquistou seu 28º título paulista ao empatar por 1 a 1 com a Ponte Preta, neste domingo, na Arena de Itaquera. Os protagonistas do gol da equipe, que abriu o marcador, foram os melhores em campo: Jadson e Romero. Confira as notas, que também realçaram a importância de cada personagem corintiano na conquista:

CORINTHIANS

7,0
Cássio
Mostrou segurança nas poucas vezes em que foi exigido, e foi assim durante praticamente todo o Paulistão. Foi o capitão e levantou a taça.


7,0
Fagner
Conseguiu conter os avanços da Ponte, que atacou muito pelo seu setor na etapa inicial. Teve mais uma campanha segura na lateral do Corinthians.

7,0
Balbuena
Foi o criador do famoso “grupo do WhatsApp” do elenco deste ano e tem papel importante tanto em campo quanto fora. Boas atuações no Paulista.

7,0
Pablo
Foi contratado neste ano e encaixou-se perfeitamente no time. Mostra segurança e ganha a maioria das bolas tanto no chão quanto pelo alto.

7,0
Guilherme Arana
Foi um dos destaques do Corinthians neste Paulistão. Assumiu a posição após a venda de Uendel e deu conta do recado. É perigoso no ataque.

6,5
Paulo Roberto
Atuou na vaga do suspenso Gabriel e não comprometeu. Mostrou durante este início de ano que é um bom reserva para a posição.

6,5
Camacho
Substituiu o suspenso Rodriguinho e foi correto pelo meio de campo. Carille gosta do jogador, que pode fazer diversas funções pelo meio.

7,0
Maycon
Outro jovem que se destacou durante o campeonato. Não sentiu o peso da final com a Arena lotada, deu chapéu e acertou a trave. Boa atuação.

7,5
Jadson
Voltou ao clube e já conquistou outro título. Organiza as jogadas e leva perigo nas bolas paradas. Deixou Romero na cara do gol para marcar.

7,5
Romero
Destaca-se mais pela entrega para voltar e ajudar na marcação do que no ataque, mas marcou na final e é o artilheiro da Arena. Saiu aplaudido.

7,0

Tornou-se fundamental para o time, abrindo espaços no ataque e fazendo o pivô. Foi o artilheiro do Corinthians no Paulistão, com seis gols.

6,5
Clayton
Foi o último a chegar, trocado por Marlone, e tem sido o reserva imediato na posição. Na final, levou perigo com jogadas pela esquerda.

6,5
Pedrinho
Subiu após destacar-se na Copinha e já foi inscrito no Paulistão. Correspondeu em alguns jogos, é xodó da torcida e ainda vai evoluir.

6,5
Léo Jabá
Perdeu espaço nos últimos meses, mas é jovem e tem a confiança de Carille, tanto que entrou para jogar a final. É boa opção no banco.

7,5
Fábio Carille
Inspirado em Tite, montou uma equipe extremamente organizada. Timão é compacto e sofre poucos gols. E o elenco está longe de ser ótimo.


.'Eu sou abençoado': Carille vive sonho de infância, mas acha título 'anormal'



- Agora tenho que responder um monte de zap que não deu tempo.

A preocupação do técnico Fábio Carille parece inocente, mas também foi sem muitas pretensões que o Corinthians entrou no Campeonato Paulista e saiu campeão neste domingo, com 4 a 1 no placar agregado para cima da Ponte Preta. Efetivado há menos de cinco meses depois de oito temporadas na função de auxiliar, o comandante não esperava erguer uma taça tão rápido, especialmente por conta da reformulação que o elenco viveu em 2016.

- O que acontece aqui não é normal, não. Nós sermos campeões não é normal. Vou ser sincero: não esperava. Eu não esperava ser campeão, esperava mais tempo, mais entendimento, só que a parte defensiva se sobressaiu demais. Lembro que em 2012 a equipe do título mundial foi construída em 2010 - disse o treinador, logo após o 28º título estadual do Corinthians, e antes de admitir a realização de um sonho de infância em Itaquera.


- Eu sou abençoado, cara. Chegar no Corinthians como cheguei. O Mano sai para a Seleção e eu não sabia se seria mandado embora. Depois chega Adilson, um curto tempo, aí vem o Tite com comissão montada e eu me firmando ainda, no meu segundo ano aqui. Não dá, não sei onde estou, estou meio perdido com tudo o que está acontecendo. De jogar bola na rua, de não ter outro brinquedo que não for a bola, de depois ser jogador profissional... mas é um sonho, cara. Participar da Libertadores, ir para o Mundial e ver tudo o que aconteceu no Japão, essa torcida atravessando o mundo e eu participando... Tem hora que eu paro e não consigo entender. Mas sempre do meu jeito, trabalhando bastante. E graças a Deus as coisas estão acontecendo muito rápido.

O Corinthians superou Bot, 5P e Ponte nas fases eliminatórias e foi campeão com a melhor defesa do Estadual em 2017, além de ostentar uma campanha invicta nos clássicos. Após o primeiro título da história da Arena Corinthians, o treinador mencionou como espera que seu título seja lembrado no futuro.

- É muito forte, é marcante. Vai ser lembrado por um grupo desacreditado, que se fechou, se uniu, indo ao CT com concentração, personalidade e maturidade. Estou me sentindo muito feliz, muito orgulhoso de tudo o que aconteceu. Tive uma experiência de seis jogos no ano passado em que saí mais fortalecido. Os jogadores se apresentaram em 11 de janeiro, mas eu a comissão no dia 3. Abraçamos o perfil desse grupo, a melhor forma de jogar, porque eu precisava de resultados logo. Com isso, a ideia de marcar bem, acertar o sistema defensivo e depois ir soltando a equipe. Assim aconteceu, e nos últimos quatro jogos do Paulistão foram sete gols.





















Corinthians empata com a Ponte e leva o título paulistaLuis Moura / WPP

Corinthians empata com a Ponte e leva o título paulistaLuis Moura / WPP

Corinthians  leva o título paulista Luis Moura / WPP

Corinthians  leva o título paulistaMIGUEL SCHINCARIOL/ASIMAGENS

Corinthians empata com a Ponte e leva o título paulistaMIGUEL SCHINCARIOL/ASIMAGENS

Corinthians leva o título paulistaMarco Galvão / Fotoarena

Corinthians o título paulistaMarco Galvão / Fotoarena

Corinthians  leva o título paulistaLuis Moura / WPP




Corinthians conquista seu 28º título paulista. Confira as imagens!Marco Galvão / Fotoarena

Corinthians conquista seu 28º título paulista. Confira as imagens!Marco Galvão / Fotoarena

Roberto de Andrade, presidente do Corinthians, após a final(Foto: Bruno Cassucci)

Corinthians conquista seu 28º título paulista. Confira as imagens!Marco Galvão / Fotoarena

Corinthians conquista seu 28º título paulista. Confira as imagens!Marco Galvão / Fotoarena

Corinthians conquista seu 28º título paulista. Confira as imagens!Marco Galvão / Fotoarena

Corinthians conquista seu 28º título paulista. Confira as imagens!Reprodução/Twitter

Corinthians conquista seu 28º título paulista. Confira as imagens!Marco Galvão / Fotoarena

Corinthians conquista seu 28º título paulista. Confira as imagens!Marco Galvão / Fotoarena







07/05/2017 19h41
Cássio elogia entrega de jogadores do Timão após conquista do Paulista
Com o título Estadual, o goleiro tem seis conquistas como titular do gol do Corinthians e agora está ao lado de Ronaldo, ex-arqueiro do clube na década de 90



Por SporTV.com


Neste domingo, após a conquista do Campeonato Paulista pelo Corinthians, o goleiro Cássio alcançou uma marca importante para a sua carreira. Agora o camisa 12 tem seis títulos como titular do gol alvinegro (Taça Libertadores e do Mundial de 2012, Paulista e da Recopa Sul-Americana de 2013, além do Campeonato Brasileiro de 2015) e igualou o número de Ronaldo, ex-goleiro do clube na década de 90. Em entrevista ao "Troca de Passes", o jogador quis apenas valorizar mais um título para o clube e deixou essas questões pessoais em segundo plano.



Cássio é campeão pelo Corinthians pela sexta vez como títular (Foto: Reprodução SporTV)

- A gente sai satisfeito pelo título. Essas marcas são legais, mas o importante é conquistar títulos e ajudar o Corinthians a dar continuidade a essa história vitoriosa. História de títulos, de times que lutam. Às vezes pode faltar qualidade, mas na raça e vontade nós nos superamos.


Desde a chegada de Fábio Carille, o Corinthians voltou a mostrar uma solidez defensiva, uma das marcas registradas dos tempos em que Tite era treinador. O goleiro fez questão de exaltar a ajuda que todos os jogadores fazem para auxiliar o setor defensivo.


- Não é só a linha defensiva, lógico que se acertou muito bem o Balbuena e Pablo, mas o fato do time estar bem organizado, o Romero e Jô voltando para ajudar. É um conjunto, mas tudo isso está acontecendo pelo Carille trabalhar isso. Estamos colhendo os frutos. Quando falaram que a gente ia jogar nesse estilo a gente se entregou, se dedicou 100% e as coisas acontecem.


Após a conquista do Paulista, o Corinthians agora volta a campo nesta quarta-feira para encarar a Universidad do Chile, pela Copa Sul-Americana. Na partida de ida, o Timão fez 2 a 0 e tem boa vantagem para avançar de fase na competição continental.















Corinthians empata com a Ponte e conquista o Campeonato Paulista
Paraguaio vive dia de herói e marca para o Timão. Nem gol de Marllon atrapalha festa corintiana na Arena na conquista do 28º título estadual corintiano







Por Felipe Zito,
07/05/2017 17h56

Em mais uma reedição da final do Campeonato Paulista de 1977, a festa foi da torcida corintiana mais uma vez. Se Basílio brilhou 40 anos atrás quando marcou o gol que tirou o Timão da fila, coube a Romero ser o herói da Fiel em 2017: foi ele quem abriu o placar em Itaquera no empate em 1 a 1 com a Ponte Preta neste domingo e que confirmou o 28º título estadual do Corinthians.


Artilheiro da Arena, agora com 18 gols, o paraguaio era um dos candidatos a herói do dia antes mesmo de ele abrir o placar. Na arquibancada, torcedores "previam" uma tarde histórica para o paraguaio com cartazes fazendo referência ao épico encontro entre Timão e Macaca em uma decisão de Paulista. E foi aos 17 minutos do segundo tempo, após um bom passe de Jadson, que o "Pé de Angel" se eternizou na história do clube e viu um time desacreditado se transformar em uma equipe campeã.


– O grupo mereceu esse título. A gente trabalhou muito. Ninguém acreditava no nosso trabalho, mas a gente sempre focado, treinando, com muita humildade conseguimos esse título. É um titulo muito marcante. Na minha memória vai ficar para sempre também. Fazer um gol aqui na arena e comemorar um título não tem preço. todo mundo está de parabéns. A torcida apoiou 90 minutos, não só agora, mas ao longo do campeonato – disse Romero, durante a festa no gramado.



Jogadores do Corinthians comemora o título do Campeonato Paulista de 2017 (Foto: Marcos Ribolli)


Depois de um início de ano difícil, o time de Fábio Carille deu a resposta da melhor maneira possível: dentro de campo. Dono da melhor campanha geral, o Corinthians construiu sua trajetória no torneio com vitórias em clássicos

A enorme vantagem construída no jogo de ida na semana passada, em Campinas - vitória do Timão por 3 a 0 -, deixou os donos da casa em situação bem tranquila. Sem pressa e com a arena lotada no jogo número 100 do estádio alvinegro, o Corinthians viu seu eficiente sistema defensivo conter os avanços de uma Ponte Preta marcada pelo desânimo e pouca esperança de milagre.

A enorme vantagem construída no jogo de ida na semana passada, em Campinas - vitória do Timão por 3 a 0 -, deixou os donos da casa em situação bem tranquila. Sem pressa e com a arena lotada no jogo número 100 do estádio alvinegro, o Corinthians viu seu eficiente sistema defensivo conter os avanços de uma Ponte Preta marcada pelo desânimo e pouca esperança de milagre.

A defesa corintiana, aliás, foi o grande destaque da equipe de Fabio Carille no Paulistão - foram apenas dez gols sofridos em 18 partidas.

Com a vantagem ainda maior após o gol de Romero, o Corinthians viu a Ponte buscar mais o ataque. Ravanelli chegou a acertar a trave em um chute de fora da área, mas foi Marllon quem descontou no fim da partida e definiu o placar em 1 a 1. Nada que atrapalhasse a festa do Timão e dos 46.017 torcedores que quebraram o recorde de público da arena e viram os corinthianos festejarem o título do Campeonato Paulista.

















Atuações do Corinthians campeão paulista 2017: Romero é premiado com gol na final, e Jô dá trabalho na frente
Atacante paraguaio, muito elogiado por sua dedicação tática no time de Fábio Carille, fez o gol do Timão no empate por 1 a 1 com a Ponte, em tarde de título do Paulistão

Romero: fez o que Carille espera dele. Correu demais pelo lado esquerdo para ajudar na marcação e travar as descidas do lateral Nino Paraíba. A dedicação tática que mostrou durante toda a competição foi coroada com o gol no segundo tempo. Nota: 7,0


Jô: não ficou acomodado com a vantagem obtida no primeiro jogo e se empenhou muito no ataque. Perdeu uma boa chance para marcar na etapa inicial. Nota: 6,5


Maycon: bem na proteção aos zagueiros nos momentos em que a Ponte tentou pressionar. Teve velocidade na transição para o ataque e acertou uma bola na trave. Nota: 6,5


Veja as notas dos jogadores:




Cássio [GOL]: 6,0
Fagner [LAD]: 6,0
Balbuena [ZAG]: 6,0
Pablo [ZAG]: 6,5
Guilherme Arana [LAE]: 6,0
Paulo Roberto [VOL]: 6,0
Maycon [VOL]: 6,5
Camacho [MEI]: 6,0
(Clayton [ATA]): 5,5
Jadson [MEI]: 6,0
(Pedrinho [ATA]): sem nota
Romero [ATA]: 7,0
(Léo Jabá [ATA]): sem nota
Jô [ATA]: 6,5












Corinthians levanta taça e bate recorde de público do estádio
Com mais de 46 mil pessoas presentes, Timão supera número de torcedores da comemoração do hexa do Brasileirão em 2015

Por GloboEsporte.com,

07/05/2017 17h53


A Arena Corinthians registrou neste domingo, no jogo de número 100 no estádio, um novo recorde de público. A final do Campeonato Paulista, contra a Ponte Preta, teve 46.017 pagantes. A renda do jogo foi de R$ 2.792.212,60. O Timão, com empate por 1 a 1, foi campeão pela 28ª vez do estadual – tinha vencida o jogo de ida, em Campinas, por 3 a 0.


Antes dessa partida, o antigo recorde registrado também tinha sido em dia de comemoração. Na goleada por 6 a 1 sobre o São Paulo, no jogo da entrega da taça de campeão brasieliro de 2015 (o título tinha sido conquistado antes, em São Januário), o público foi de 44.976 pagantes.



Recorde de público na Arena Corinthians (Foto: Lucas Strabko)



Torcida do Corinthians fez a festa na arquibancada da Arena (Foto: Marcos Ribolli)




Corinthians é campeão paulista pela 28ª vez. Maior campeão paulista disparado, Corinthians empatou contra ponte em 1x1 após ter vencido fora de casa por 3x0





Corinthians leva título paulistaMarco Galvão / Fotoarena

Corinthians empata com Ponte e leva título paulista MIGUEL SCHINCARIOL/ASIMAGENS

Corinthians empata com Ponte e leva título paulistaMIGUEL SCHINCARIOL/ASIMAGENS

Corinthians empata com Ponte e leva título paulistaLuis Moura / WPP

Corinthians empata com Ponte e leva título paulistaLuis Moura / WPP

Corinthians empata com Ponte e leva título paulistaLuis Moura / WPP

Corinthians empata com Ponte e leva título paulista Luis Moura / WPP
Bruno Cassucci - 07/05/2017 - 18:02

Como lembraremos do título paulista do Corinthians daqui a 40 anos? Até hoje ouvimos, assistimos e lemos relatos de 1977. Foi a conquista da libertação. Neste domingo, contra a mesma Ponte Preta, talvez tenha sido a vitória da afirmação. De um clube que é o maior campeão do Estado, tem casa própria e não lembra mais como é ficar na fila. Em 2057, alvinegros contarão onde estavam, com quem viram e como festejaram a primeira final vencida na Arena Corinthians ( Corinthians comemorou hexacampeão brasileiro com campanha na Arena em pontos corridos)- justamente no 100º jogo oficial da equipe Arena. Com gols de Romero e Marllon, o Timão empatou com a Macaca por 1 a 1 e conquistou o seu 28º título da competição.

Assim como pais e avós contam em detalhes sobre Basílio ter encerrado o jejum de 23 anos, os corintianos de hoje em dia falarão no futuro sobre o passe de Jadson e a finalização do atacante paraguaio. Aos 16 minutos do segundo, no rebote, assim como fez o Pé de Anjo, o camisa 11 se tornou o artilheiro do estádio e fez a torcida soltar o gripo de "é campeão", preso na garganta desde a semana anterior, com a vitória por 3 a 0 no Moisés Lucarelli. Brava, a Ponte descontou aos 38, mas não evitou novo vice.

A Fiel já não sofre como antes, mas segue vibrando como sempre. 46.017 mil pessoas pagaram ingressos para ver a decisão e fizeram com que a Arena batesse o seu recorde de público em jogos do Timão (superando o da festa do hexa brasileiro, no 6 a 1 sobre 5P, em 2015).

Assim como já havia sido nas quartas de final, quando o Corinthians passou pelo botina rp e semi qdo passou sobre 5P, o Corinthians sofreu pouco sustos. Essa, aliás, foi uma marca da campanha da equipe, que ergue a taça sem ter perdido nenhum dos cinco clássicos disputados no torneio. E pensar que o time era apontado como a quarta força dentre os grandes paulistas no início da temporada...

Apesar do gosto amargo de ser coadjuvante mais uma vez de um título corintiano, a Ponte Preta mostrou grandeza e criou lances de perigo, sobretudo no segundo tempo. Daqui a 40 anos é possível que já não usemos TVs, tablets ou smatphones, mas em algum aparelho será possível assistir aos lances de de perigo da Macaca, sobretudo no segundo tempo, quando se abriu mais. Com a vantagem, o Timão administrou a partida, mas poderia ter saído com a vitória se não fosse a bola na trave de Maycon, o chute para fora de Romero, as defesas de Aranha...

Organizado, forte defensivamente e aguerrido, o Corinthians campeão paulista jogou exatamente como prometido por Fabio Carille, que superou desconfianças e garantiu a primeira conquista da carreira como técnico. De quebra, ele ainda acabou com uma hegemonia de Mano Menezes e Tite, comandantes nos títulos vencidos pelo clube nos últimos 11 anos.

Por falar em hegemonia, é bem provável que daqui a 40 anos lembraremos dos anos 2010 como a década corintiana. Este foi o sétimo título do clube no período, juntando-se a um Paulista, dois Brasileiros, uma Recopa Sul-Americana, uma Libertadores e um Mundial. Nada disso seria possível, porém, sem 1977.


CORINTHIANS 1 X 1 pp

Paulistão 2017- final volta
Local: Arena Corinthians,
Data/Hora: 7 de maio de 2017 (domingo), às 16h
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho (SP)
Assistentes: Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (SP)
Público/renda: 46.017 pagantes/ 2.792.212,60
Gols: Romero (17'/2ºT) (1-0) e Marllon (40'/0ºT) (1-1)
Cartões amarelos: Pablo e Romero (COR); Nino Paraíba, Elton e Clayson (pp)
Cartões vermelhos: -

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo, Guilherme Arana; Paulo Roberto, Camacho (Clayton 18'/2ºT), Maycon, Jadson (Pedrinho 39’/2ºT) e Romero (Léo Jabá 44’/2ºT); Jô. Técnico: Fabio Carille

pp: Aranha: Nino Paraíba; Marllon, Kadu e Arthur; Fernando Bob, Elton e Jadson (Ravanelli – intervalo); Clayson (Lins – 32’/2ºT), William Potkker e Lucca (Yuri – 22’/2ºT). Técnico: Gilson Kleina





Técnico corinthiano Fábio Carille se surpreende com título em primeiro trabalho 



"Esperava mais tempo, mais entendimento, mas a parte defensiva sobressaiu demais"


Por Carlos Augusto Ferrari e Marcelo Hazan,

07/05/2017 19h51 A
O título do Corinthians de campeão Paulista surpreendeu a... Fábio Carille! Isso mesmo. O comandante do time que superou a Ponte Preta na decisão, com placar agregado de 4 a 1, e levantou a taça neste domingo, na Arena Corinthians, mostrou sinceridade.


Ele admitiu: não esperava ganhar o troféu logo na primeira disputa de competição como treinador. Durante nove temporadas, Carille foi auxiliar no Timão.


– O que acontece aqui não é normal, não. Nós sermos campeões não é normal. Vou ser sincero: não esperava. Esperava mais tempo, mais entendimento, só que a parte defensiva sobressaiu demais. Lembro que para chegar no título Mundial de 2012 o time foi construído em 2010. São dois ou três anos. Na Europa é assim. É uma engrenagem. É esporte coletivo, não individual. Mas a necessidade de resultados rápidos obriga a algumas coisas que não concordo. Aqui deu tudo certo.


Veja abaixo os principais tópicos da entrevista coletiva de Fábio Carille:


Balanço do início como treinador e montagem da equipe


– Estou me sentindo muito feliz e orgulhoso de tudo o que aconteceu. Tive uma experiência de seis jogos no ano passado e saí satisfeito, mais fortalecido. Os jogadores se apresentaram no dia 11 de janeiro, mas eu e a comissão no dia 3. Traçamos perfil e a melhor forma de jogar. Sabia que precisava de resultados rápido. Com isso, veio a ideia que deixei clara desde o início: marcar bem, acertar o sistema defensivo e depois soltar o time. Assim aconteceu. Continuamos com base sólida atrás, mas estamos soltando mais e criando mais oportunidades.


Qual o momento mais difícil da conquista?


– Até o jogo do Palmeiras todos os dias foram difíceis. O grupo mostrou muita maturidade e personalidade de ir para o CT quietinho e treinando com intensidade. A cobrança não era só em mim, mas nos jogadores também. Foi muito difícil não para mim, mas para o grupo. Sei assimilar bem e ficar na minha. Sei o que quero escutar e onde posso ir. Mas tinha muita preocupação com o grupo, jogadores jovens e essa pressão toda. Administrar isso tudo não foi fácil.



Onde o Corinthians pode chegar neste ano?


– Vamos continuar igual. Muito feliz hoje, mas amanhã tem de preparar o time para quarta-feira. Não será fácil. Ainda mais por tudo, relaxamento natural. Temos de ir muito fortalecidos para quarta. Amanhã é colocar os pés no chão. Depois pensar na estreia do Brasileiro. Sobre reforços? Pode acontecer. Se chegar é para fortalecer. Se não vamos continuar da mesma maneira. Quem chegar precisa entender que vamos precisar trabalhar muito.


Quem foi o maior destaque do título paulista?


– O grupo foi maravilhoso. Pode-se falar do Jô que fez os gols, mas todos colaboraram. O grupo, o elenco é o destaque do campeonato.


O que esperar do Corinthians no Brasileiro?


– Não tem de mudar nada. É seguir na mesma caminhada. Equilibrando mais o time. Estou gostando da parte ofensiva, mas precisa melhorar e vamos melhorar. Quando se perde, não está tudo errado. Quando se ganha, como no caso do título, também não está tudo certo. Não tem de mudar nada. E sim seguir com a mesma seriedade.


Em 1995, não pôde jogar e agora teve a oportunidade de disputar uma final. Aquele período rondou sua cabeça?


Passaram 22 anos. A verdadeira história: o Corinthians ganhou do Grêmio. Em 96 iria disputar três campeonatos, Paulista, Brasileiro e Libertadores. Eu com o XV de Jaú me destaquei no Paulista da A2, o Corinthians contratou alguns jogadores destaques para se adaptarem. O Eduardo Amorim queria que eu continuasse, mas apareceram empresários para me levar ao Paraná. E foi bom para o Corinthians também. Não é de 95 que sonho, é desde que entrei no futebol. A família toda é corintiana, ainda não caiu a ficha. Os últimos dias foram longos. Uma vitória de 3 a 0 o domingo não chega, mas graças a Deus conseguimos o título.


O título estadual dá respaldo a sua ideia de jogo para momentos de instabilidade no futuro?


– Trabalhei com Tite, você sabem bem. Foi muito criticado quando saímos para o Guarani, depois com o Nacional. Eu via o que saía e passava o que estava acontecendo para prepará-lo nas entrevistas. Sei onde estou e da minha responsabilidade. Dá respaldo? Sim, um pouquinho só. Se tiver sequência de resultados ruins vai acontecer o que naturalmente acontece, mas eu não concordo. O que acontece aqui não é normal, não. Nós sermos campeões não é normal. Vou ser sincero: não esperava. A parte defensiva sobressaiu demais. Lembro que para chegar no título Mundial de 2012 o time foi construído em 2010. São dois ou três anos. Na Europa é assim. Precisa, é uma engrenagem. É esporte coletivo, mas a necessidade de resultados rápidos atropela. Aqui deu tudo certo.


Importância da família na conquista


– Estão no vestiário. Me conhecem muito bem. Sabem do meu perfil. Sou totalmente diferente do meu pai. Meu pai é estourado, não leva desaforo para casa. Sou muito da minha mãe, mais tranquila, dos meus tios por parte de mãe. Tem muita gente torcendo, em Sertãozinho, e da Vila Ema, da Zona Leste. Tenho que responder um monte de WhatsApp, mas com calma vou responder a todos.


Você era torcedor na infância e agora participou do período mais vencedor da história


– Sou abençoado. Chegar no Corinthians, como cheguei... o Mano sai para a Seleção. Não sabia se ficaria ou seria mandado embora. Depois chega Adilson, fica curto espaço. Vem o Tite com comissão montada, eu ainda me firmando, em 2010, meu segundo ano... não dá para... não sei onde estou, estou meio perdido ainda, na verdade. Por tudo o que está acontecendo na minha vida. De jogar bola na rua, não ter outro brinquedo que não fosse bola. Sou muito ciente: era muito disciplinado, e um técnico dentro de campo, tinha noção das coisas. Mas é um sonho. Participar da Libertadores que a torcida queria tanto, ir para o Mundial, com a torcida atravessando o mundo no Japão. Participar de tudo isso... tem hora que eu paro e não consigo entender. Mas sempre do meu jeito. Procuro trabalhar e tudo está acontecendo muito rápido.


Defesa forte é um DNA do Corinthians


– Dos 10 últimos Paulistas, participei de nove junto. Como auxiliar desde 2009. O maior problema de 2016, acho não, o maior problema em 2016 foi a mudança de elenco. Não que os jogadores não queriam marcar. É questão de características. Perdemos Felipe, Bruno Henrique e Elias. Desandou. Tentamos corrigir, e jogadores que chegaram precisando dar resposta rápida. Isso prejudicou. Alguns levam tempo. Foi assim com Paulinho, Castán um ano no banco. Tivemos de acelerar processo de atletas irem para campo. Muito orgulhoso. É mesmo uma marca do Corinthians. É um perfil e procurei voltar com isso. É um orgulho. Nunca prometi título. Falei que iríamos brigar. Seria um time organizado. Se criou um ambiente bom entre eles. Um corre pelo outro. Busco equilíbrio ainda. Quero tornar esse time mais agressivo. Mas agora tem mais uma semana em que não poderei trabalhar, com jogo quarta e domingo.


Espera ser lembrado como aconteceu com a conquista de 1977?


– Sempre vai ser lembrado por títulos. Não tem jeito. Ainda mais torcedor corintiano. Passei aqui em 1995 e até 2007 dava autógrafo por ter passado pelo Corinthians. E não joguei. É marcante. Vai ser lembrado por um grupo desacreditado, que se fechou e se uniu. Indo para o CT com muita concentração e determinação. Vai ser lembrado pela maturidade.



Fabio Carille ergue seu primeiro troféu como treinador do Corinthians (Foto: Marcos Ribolli)



















Carille fala à CorinthiansTV sobre 1ª final como técnico do Timão: “É um sonho”


Treinador alvinegro falou sobre como está vivendo o atual momento, relembrando decisões em que trabalhou ao lado de Mano Menezes e Tite no clube do Parque São Jorge



10h05 07/05/2017 - Agência Corinthians





Fabio Carille chegou à primeira final de campeonato como técnico principal


© Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians



Fabio Carille vive uma experiência inédita na final do Paulistão Itaipava 2017. Trabalhando no Corinthians desde 2009, o agora técnico alvinegro já viveu de perto várias decisões de campeonatos, como auxiliar técnico de Mano Menezes e de Tite, vencendo várias delas. Mas dessa vez, Carille vivencia a chance de poder ser campeão pelo Timão como treinador principal.


“Com certeza é diferente. Participei de oito títulos, sempre como auxiliar. É um sonho, e graças a Deus as coisas estão caminhando bem. Se acontecer, vai ser algo muito diferente e marcante”, comentou o técnico do Corinthians em entrevista exclusiva à CorinthiansTV.


“A gente tem de valorizar aquilo que aprendeu e colocar nesses momentos. Sabe que é semana diferente, que fica todo mundo um pouquinho mais agitado. A gente passa para os jogadores algumas coisas que a gente lembra que foram muito positivas naquele momento”, acrescentou.


O Alvinegro do Parque São Jorge enfrenta a Ponte Preta no confronto final que definirá o campeão paulista de 2017 na Arena Corinthians neste domingo (07), às 16h. Até mesmo derrota por dois gols de diferença dá o título ao Corinthians.














Valendo 28º título estadual, Corinthians recebe Ponte Preta em confronto final do Paulistão

Timão joga neste domingo na Arena Corinthians com a vantagem de poder até perder por dois de diferença para ser campeão paulista de 2017


10h00 07/05/2017 - Agência Corinthians




Timão venceu a Ponte Preta fora de casa por 3 a 0 no jogo de ida da final

© Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians


É o grande dia! O confronto final entre Corinthians e Ponte Preta que definirá o campeão paulista de 2017 na Arena Corinthians acontece neste domingo (07), às 16h. Para o Timão, vale o 28º título estadual da história do clube. Globo (para estado paulista e PR), SporTV e Premiere (ambos para todo o Brasil) transmitem ao vivo o jogo de volta da decisão do Paulistão Itaipava.

Vantagem corinthiana

O primeiro capítulo da final em preto e branco foi contado no último domingo (30), no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. Com uma grande atuação de Rodriguinho, autor de dois gols e uma assistência, o Corinthians venceu a Ponte Preta por 3 a 0 e conquistou uma vantagem considerável para o jogo de volta em casa.

Com o placar obtido em Campinas, o Timão tem a vantagem de ter vencido a ida por 3x0

Sem jogos no meio de semana, tanto Corinthians como Ponte Preta tiveram a semana cheia de treinos, com foco exclusivo para a decisão do Paulistão Itaipava.

Como vai o Corinthians para a segunda final

Rodriguinho teve uma sensacional performance no jogo de ida da decisão estadual, mas acabou levando o terceiro cartão amarelo, ficando suspenso para a volta na Arena Corinthians. Mesmo caso de Gabriel. Essas são as duas ausências do time do Parque São Jorge no confronto que define o campeão.

Mas Fabio Carille já definiu e anunciou os substitutos. Paulo Roberto fica na vaga de Gabriel. Camacho entra no lugar de Rodriguinho. Dessa forma, o Corinthians deve entrar na decisão com Cassio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Paulo Roberto; Jadson, Camacho, Maycon e Romero; Jô.

Todos os jogadores à disposição foram relacionados para a final na Arena Corinthians. Para o gol, as opções serão Caíque, Cássio e Walter. Nas laterais, Fagner, Guilherme Arana, Léo Príncipe e Moisés. A zaga terá Balbuena, Léo, Pablo e Pedro Henrique. Entre os volantes, vão Camacho, Fellipe Bastos, Marciel, Maycon e Paulo Roberto. Para o meio de campo, foram chamados Jadson, Marquinhos Gabriel e Pedrinho. Clayton, Jô, Kazim, Léo Jabá e Romero são os atacantes que completam a lista.

Entre os inscritos para o Paulistão Itaipava, apenas Gabriel e Rodriguinho, suspensos, Giovanni Augusto e Vilson, machucados, não foram relacionados.

Palavras do comandante

O momento é muito especial para Carille, que chega pela primeira vez à uma decisão de título na curta carreira -- firmou-se como técnico principal do Corinthians em dezembro do ano passado. O treinador não esconde a felicidade pelo sucesso do trabalho.

"É um sonho, tem hora que tem de parar de pensar em tudo o que está acontecendo tão rápido, em cima de tanta desconfiança que aconteceu. A gente mirou um trabalho, uma ideia, fechadinho do nosso jeito, e as coisas acontecendo muito positivamente. É de emocionar. Estou muito feliz, não sei dizer o sentimento, mas é de muita alegria", afirmou o comandante alvinegro.

No trabalho para o jogo final, o técnico do Corinthians procurou apenas reiterar os pontos principais da equipe, na mesma linha de trabalho adotada desde o início da temporada.

"O que tenho passado essa semana é que nós chegamos de uma forma e não tem porque mudar. Fazer bem o que foi feito até agora, é um momento que não se pode errar decisivo. Então nós não temos de inventar nada. Dar seguimento naquilo que foi feito para nós termos chegado à final", falou Carille.

Retrospecto

Corinthians e Ponte Preta reeditam a histórica final do Paulista de 1977, quando o Timão se sagrou campeão após três jogos, quebrando um tabu de quase 23 anos sem títulos. Dois anos depois, em 1979, as equipes voltaram a se encontrar na decisão estadual, e o Alvinegro do Parque São Jorge novamente levou a melhor.

Em toda a história, o Corinthians enfrentou a Ponte Preta em 143 oportunidades. Com o retrospecto positivo, o Timão venceu 81 jogos, empatou 33 e tropeçou em 28 duelos. O Alvinegro do Parque São Jorge marcou 260 gols e sofreu 141.

Contra a Ponte Preta na Arena Corinthians, o Corinthians também defende um retrospecto mais do que positivo, mas perfeito. Foram quatro confrontos no estádio corinthiano, com quatro vitórias do Timão, oito gols a favor e apenas um sofrido.

Você encontra esta e outras informações no aplicativo oficial Almanaque do Timão e no aplicativo oficial do Sport Club Corinthians Paulista, ambos disponíveis em sistemas iOS, na Apple Store, e Android, na Google Play Store.














#Arena100Jogos: Números gerais do Corinthians na casa alvinegra

Arena Corinthians fez do Timão um dos melhores mandates do Brasil nos últimos anos


09h30 07/05/2017 - Agência Corinthians

A segunda partida da final do Paulistão 2017, doCorinthians contra a Ponte Preta, será o 100º jogo do Corinthians na Arena Corinthians. Inaugurada em 2014, pouco antes da Copa do Mundo da Fifa, o Timão chega à histórica marca justamente na primeira final que a casa alvinegra irá receber.

Nos quase três anos de Arena Corinthians, o Timão coleciona inúmeros momentos marcantes para a Fiel e se apresenta como um dos melhores mandantes do futebol brasileiro.

Logo no primeiro Campeonato Brasileiro disputado na nova casa, o Corinthians venceu 10, empatou cinco e perdeu apenas um jogo Com o fator casa, a equipe alvinegra terminou a competição na quarta posição e conseguiu uma vaga na Copa Libertadores do ano seguinte.


Em 2015, Arena Corinthians, torcida, e elenco tiveram uma sintonia quase que perfeita. Na histórica campanha do hexa, a melhor dentre todos os campeões no formato de pontos corridos com 20 equipes, o Timão foi avassalador em seus domínios. Foram 15 vitórias, dois empates e apenas uma derrota em casa.

Em 99 jogos até o momento na Arena Corinthians, o Corinthians possui 69 vitórias, 23 empates e apenas sete derrotas. São 184 gols marcados e 59 sofridos.
Você encontra esta e outras informações no aplicativo oficial Almanaque do Timão e no aplicativo oficial do Sport Club Corinthians Paulista, ambos disponíveis em sistemas iOS, na Apple Store, e Android, na Google Play Store.










Corinthians terá três patrocínios pontuais na grande final do Paulistão



21h15 06/05/2017 - Agência Corinthians

Na tarde deste domingo (07), na Arena Corinthians, o Corinthians  decide contra Ponte Preta, o Campeonato Paulista de 2017. No segundo jogo da final, o Timão terá três patrocínios pontuais: a Universidade Brasil, no peito (máster) e nos omoplatas - com a UNIESP; e SEMP e Best Way Group, nos shorts.

Além da Universidade Brasil, da SEMP e do Best Way Group, o Corinthians terá como patrocinadores neste domingo: Nike (fornecedor de material esportivo), Alcatel (costas), Foxlux (barra traseira) e Minds (barra das mangas).

Sobre a Universidade Brasil
A Universidade Brasil possui mais de 12 mil alunos e 116 cursos completos em três campi (São Paulo, Fernandópolis-SP e Descalvado-SP) e é do mesmo grupo da UNIESP SA, conglomerado que reúne 120 faculdades espalhadas por todo o Brasil, com mais de 100 mil universitários.

Sobre a SEMP
Presente hoje no mercado com as marcas SEMP, TCL e TOSHIBA, a SEMP TCL é uma joint-venture entre a SEMP, empresa brasileira fundada em 1942 e com longa história de pioneirismo na fabricação de produtos eletroeletrônicos de consumo, e a TCL Corporation, multinacional chinesa presente em mais de 160 países e líder em diversas categorias de seu segmento.

Sobre o Best Way Group
Com softwares próprios e personalizados, conforme a demanda do cliente, o grupo tem atuação na Terceirização de Folha de Pagamento e de processos de administração pessoal através do serviço de BPO. Conta com uma corretora de seguros própria para a Gestão de Benefícios e Seguros. Possui ainda uma ferramenta de Comunicação e Colaboração no formato de rede social corporativa que revoluciona a comunicação e a conexão interna.









Corinthians estampará sete marcas no uniforme em decisão do Paulista



Marca que ocupou espaço nobre da camisa repetirá ação na segunda partida das finais (Foto: Daniel Augusto Jr)

LANCE! - 07/05/2017 - 05:35 

O Corinthians aproveitou as finais do Campeonato Paulista para reforçar o caixa e fechou três acordos de patrocínio pontual no jogo deste domingo, às 16h, na Arena, contra a Ponte Preta. Assim, somando os contratos específicos com os três patrocinadores fixos do clube e mais a fornecedora de material esportivo, o Timão pode ser campeão estadual com sete marcas estampadas em seu uniforme.

Os contratos de patrocínio pontual são com as seguintes marcas: Universidade Brasil no peito (espaço máster) e omoplatas, e SEMP e Best Way Group, nos shorts. O Corinthians também exibirá as marcas da Nike, Alcatel (nas costas), Foxlux (barra traseira da camisa) e Minds (barra das mangas). O clube não divulgou protótipos das camisas que serão usadas porque os acordos foram fechados durante a tarde deste sábado e anunciados já à noite.













Corinthians anuncia três patrocinadores para a decisão do Paulista

Na noite deste sábado (6 de maio), o clube anunciou trinca de acordos pontuais para a partida contra a Ponte Preta, no domingo (7): Universidade Brasil, SEMP e Best Way Group serão os parceirosCorinthians fechou patrocínios pontuais para a final do Campeonato Paulista (Agência Corinthians)
6/05/2017 

O torcedor que assistir ao jogo entre Corinthians e Ponte Preta, válido pela grande final do Campeonato Paulista de 2017, irá notar que o Timão terá novos patrocinadores nos uniformes. Na noite deste sábado (6 de maio), o clube anunciou três acordos pontuais para a decisão da competição: Universidade Brasil, SEMP e Best Way Group.

A Universidade Brasil apareceu na camisa do time corintiano no primeiro jogo da final. A organização já havia confirmado o patrocínio para a segunda partida, que contará com o logo da Universidade no peito e com a sigla UNIESP nos omoplatas.

Já a SEMP e o Best Way Group estarão posicionados nos shorts dos jogadores do Timão. 
A SEMP TCL é uma joint-venture entre a marca brasileira SEMP e a multinacional chinesa TCL Corporation. Já o Best Way Group trabalha com softwares próprios de computadores para os clientes. O Timão ainda contará com o patrocínio de Nike, Alcatel, Foxlux e Minds no jogo deste domingo.