21 de fev de 2017

CORINTHIANS 21/02/2017

préjogo equipes prováveis
CORINTHIANS X p
Local: Arena Corinthians
Data e horário: quarta-feira, às 21h45 (de Brasília)
Escalação provável do Corinthians: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel; Maycon, Rodriguinho, Romero e Marlone; Kazim
Desfalques do Corinthians: Walter, Carlinhos, Danilo, Giovanni Augusto, Marquinhos Gabriel e Jadson
Escalação provável do rival: F Prass; Jean, Mina, V.Hugo e Zé R.; F. Melo; M. Bastos, R. Veiga, Guerra e Dudu; Willian
Arbitragem: Thiago Duarte Peixoto, auxiliado por Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse





21/02/2017 23h08

 Corinthians relaciona 22 jogadores para o Dérbi na Arena

Kazim (à dir.) vai começar de novo no time titular no clássico desta quarta-feira(Foto: Marcelo Braga)

Fábio Carille relacionou 22 jogadores do Corinthians para o derbi, nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), na Arena Corinthians, pela quinta rodada do Paulistão. 

Escalação provável do Corinthians: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel; Maycon, Rodriguinho Romero, Marlone; Kazim O desfalque de última hora é Camacho, que foi liberado dos treinos da semana pela diretoria por conta da morte do pai, ocorrida no último domingo.

Dúvida durante a semana por conta de dores no joelho direito, o meia Guilherme passou por exames detalhados e não teve nenhuma lesão detectada. Diante da melhora no quadro, esteve presente no último treinamento da equipe, no local do jogo, e será opção no banco de reservas.


CONFIRA A LISTA DOS CONCENTRADOS DO CORINTHIANS:

GOLEIROS: Cássio e Caíque
LATERAIS DIREITO: Fagner e Léo Príncipe 

LATERAIS ESQUERDO:  Guilherme Arana e Moisés
ZAGUEIROS: Balbuena, Pablo, Vilson e Pedro Henrique
VOLANTES: Gabriel, Paulo Roberto, Marciel, Fellipe Bastos e Maycon
MEIAS: Rodriguinho, Guilherme e Marlone
ATACANTES: Jô, Kazim, Romero e Léo Jabá

Desfalques do Corinthians: Camacho, Walter, Léo, Carlinhos, Danilo, Giovanni Augusto, Marquinhos Gabriel e Jadson




Torcida organizada apóia Timão em treino na Arena antes de Dérbi



Centenas de pessoas estiveram na Arena Corinthians (Foto: Daniel Augusto Jr/Ag.Corinthians)

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
(Foto: LANCE!Press)

LANCE! - 21/02/2017 - 19:35

O técnico Fabio Carille comandou um treinamento aberto à torcida do Corinthians nesta terça-feira, véspera do clássico contra o Palmeiras válido pela quinta rodada do Campeonato Paulista. Centenas de pessoas compareceram às arquibancadas do Setor Norte na Arena Corinthians e cantaram músicas de incentivo e pressão, com diversas referências ao adversário do Dérbi desta quarta, às 21h45.

"Porcada diz como é que é jogar na casa do Timão. Mundial vocês não têm, Coringão já ganhou dois, vocês não vivem sem a Série B", cantou a torcida corinthiana, além dos já tradicionais cantos como "Todo poderoso Timão", "eu sou Corinthians" e outros, como "Dando carrinho, dando porrada, o Coringão não pode perder por nada", "Arquibancada, vamos apoiar, dentro de campo o bicho vai pegar/O Corinthians vai ganhar" e "Eu quero ver Timão jogar, que destes porco a gente tem que ganhar".

Já perto do fim do treino, os gritos foram mais de cobrança aos jogadores do Corinthians antes do Dérbi: "Treino é jogo, jogo é guerra" e "Sangue no olho, tapa na orelha. É o jogo da vida, Corinthians não é brincadeira".

A torcida que compareceu à Arena Corinthians acompanhou a definição do time titular com duas novidades: Maycon e Kazim escalados.





21/02/2017 19h54

Roberto de Andrade mudará diretoria do Corinthians; Andrés quer o futebol


Por Carlos Augusto Ferrari

 Depois da vitória na reunião do Conselho Deliberativo na última segunda-feira, no Parque São Jorge, o presidente do Timão, Roberto Andrade, fará mudanças em cargos da diretoria e Andrés Sanchez pode voltar a ser diretor de futebol.

Como passa boa parte da semana em Brasília, Andrés não teria cargo, mas recuperaria o poder de decisão no futebol. Com isso, um representante dele assumiria um lugar na diretoria. Eduardo Ferreira, ex-diretor adjunto de futebol, surge como um dos nomes cotados.

Roberto de Andrade não abre mão do outro responsável pelo futebol, o gerente Alessandro Nunes. O ex-lateral é o homem de confiança do dirigente no clube e deve seguir na função até o fim do ano. Ele, inclusive, dificilmente será liberado pelo dirigente se receber mesmo o convite de Edu Gaspar para coordenar as categorias de base da seleção brasileira.

– Vamos sentar, vamos dialogar com as pessoas de bem. Vamos fazer um mandato com tudo aquilo que sonhamos sempre, sem grupo político. Quem quer o bem do Corinthians que se junte a nós para recolocarmos o clube no lugar de onde nunca deveria ter saído – disse o presidente após a reunião de segunda-feira.






Corinthians tem 2 novos titulares: Kazim e Maycon jogam Derbi
Fábio Carille mexe no time principal do Alvinegro e lançará a campo dois nomes importantes da equipeMaycon deve ser titular do Corinthians (Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)
21/02/2017 20h23


Fábio Carille não fez mistério para o seu jogo mais importante como técnico do Corinthians. Nesta quarta-feira, na Arena Corinthians,o Corinthians inicia o Derby com o centroavante inglês naturalizado turco Kazim e o jovem volante Maycon como titulares.

Kazim já havia sido titular na vitória do Corinthians por 1 a 0 sobre o  Osasco Audax, na rodada passada do Campeonato Paulista. Na ocasião, foi utilizado apenas porque Jô merecia cuidados especiais por suas condições físicas, mas marcou um gol e aproveitou a oportunidade para agradar a Carille.

Já a entrada de Maycon que voltou da Seleção Brasileira no Sul-Americano sub-20 ficou com o posto aberto por Camacho, em luto pela morte do pai, Anízio, em um acidente de elevador.

No restante da formação corinthiana, não há surpresas. Esse foi o time que Carille ensaiou no gramado de Itaquera, na noite desta terça-feira, diante de centenas de torcedores organizados: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel, Maycon, Rodriguinho, 
Romero e Marlone; Kazim.

Os titulares realizaram exercícios de posicionamento, finalização e bolas paradas, sempre sem a presença de uma equipe adversária. Do outro lado do campo, os reservas – inclusive o meia Jadson, ainda fora de forma para reestrear – foram divididos em dois times para um enfrentamento.









21/02/2017 20h46

Fiel torcida do Corinthians canta apóia e exige vitória no Dérbi
Centenas de torcedores acompanham a última atividade do Timão antes do Derby. Carille diz não ver nada de anormal na cobrança


Por Diego Ribeiro e Marcelo Braga

Centenas de torcedores marcaram presença no Setor Norte da Arena Corinthians no fim da tarde desta terça-feira para acompanhar o último treino do Timão antes do Derbi, marcado para quarta, às 21h45. Constituída na maior parte por organizados, a torcida cantou muito durante os cerca de 120 minutos da atividade e, além de apoio, fez pressão pela vitória.

– Sangue no olho, tapa na orelha, é o jogo da vida, Corinthians não é brincadeira – cantaram os torcedores, na parte final da atividade, quando os atletas foram até a grande área agradecê-los.

Tradicional nos jogos do Corinthians, outro cântico cobrou vitória na partida válida pelo Paulistão.

- Se o Corinthians não ganhar olê olê olá, o pau vai quebrar.

Em entrevista coletiva, o técnico Fábio Carille disse considerar normal o conteúdo das músicas.

 Gaviões marca presença na Arena em treino antes do Dérbi (Foto: Diego Ribeiro)

– Essas músicas deles sempre existiram, com o Corinthians bem ou mal. Estão abraçando a equipe, porque estão vendo entrega. Falei que isso nunca ia faltar. Aos poucos vamos conquistando, e uma vitória amanhã pode selar ainda mais essa parceria – disse o técnico.

Por conta do clima de rivalidade, a maioria dos cânticos entoados pelos torcedores na Arena foi os que são usados para provocar o arquirrival. Um destaque, porém: no fim do treino, os torcedores gritaram o nome de Camacho, que será ausência no Dérbi por conta da morte do pai.

Cerca de 25 mil torcedores já foram vendidos para o clássico desta quarta-feira, na Arena Corinthians. Os ingressos para os Setores Nortes e Sul estão esgotados.












Carille quer vitória por 'parceria' com Fiel
O técnico do Corinthians, Fabio Carille confirmou que fará duas alterações na equipe e afirmou que a equipe não deve mudar muito com as entradas de Kazim e Maycon nas vagas de Jô e Fellipe Bastos.

Ele também disse acreditar que uma vitória pode dar tranquilidade para o clube e fará com que a Fiel torcida se reaproxime da equipe. Indagado sobre alguns gritos de avisos no treino aberto na Arena, na véspera do Dérbi, ele minimizou:

- Eu vejo diferente da maioria de vocês, essas músicas sempre existiram, com o Corinthians bem ou mal. A torcida está abraçando o time porque está havendo entrega. Uma vitória amanhã (quarta-feira) pode selar ainda mais essa parceria.






Timão treina na Arena Corinthians e tem provável escalação pro Derby

Maycon e Kazim devem ser as novidades para o início do duelo
20h45 21/02/2017 - Agência Corinthians






© Daniel Augusto Jr/Agencia Corinthians
Na noite desta terça-feira (21), na Arena Corinthians e com boa presença da Fiel, o Corinthians encerrou a preparação para o Derby, válido pela quinta rodada do Paulistão 2017. Após o treinamento, o técnico Fábio Carille confirmou duas novidades na provável equipe titular.

"O Maycon já vem num ritmo forte da Seleção, é um jogador que conhecemos bem, trabalhou conosco ano passado e foi bem na Ponte. O Kazim entrou bem no último jogo, fez o gol, vamos dar sequência a ele", disse o treinador.

O provável Corinthians que inicia o Derby tem: Cássio, Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel; Maycon, Romero, Rodriguinho e Marlone; Kazim.

Corinthians joga o Derby a partir das 21h45 na Arena Corinthians. Os ingressos seguem à venda nas bilheterias



21/02/2017 20h47

Corinthians vai com mudanças para o Dérbi; Maycon e Kazim ganham vagas
Fábio Carille faz alterações para clássico desta quarta-feira contra o Palmeiras, em Itaquera. Volante ganha espaço após voltar ao clube, e gringo vence disputa com Jô


Por Diego Ribeiro e Marcelo Braga

Provável Corinthians tem Maycon de volta e Kazim titular: Carille faz mudanças para melhorar ataque

Um Corinthians diferente vai enfrentar o Palmeiras na noite desta quarta-feira, às 21h45 (horário de Brasília), em Itaquera. Em treino tático nesta terça-feira, na própria arena, o técnico Fábio Carille confirmou duas novidades: Maycon e Kazim serão titulares.


O volante será o substituto de Camacho, que foi liberado para acompanhar o funeral do pai – ele morreu na noite de domingo, no Rio de Janeiro, após uma queda de elevador. O centroavante, por sua vez, ganhou a vaga de Jô por opção técnica.

Em relação ao Corinthians que venceu o Audax por 1 a 0, no sábado, também há o retorno de Marlone – ele entrou apenas no segundo tempo da partida porque se recuperava de dores musculares, mas volta no lugar de Léo Jabá.


O Timão treinou com Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel; Rodriguinho, Maycon, 
Romero e Marlone; Kazim.

– Está confirmado, é essa equipe que inicia o jogo. Maycon já vem num ritmo muito forte pela Seleção, conhecemos muito bem. Foi bem na Ponte Preta também. Por isso a opção por ele. Kazim entrou bem no último jogo, por isso daremos sequência a ele – afirmou Fábio Carille.


Maycon disputava vaga com Fellipe Bastos, que está abaixo de suas condições ideais e vai trabalhar para recuperar a posição.  Reintegrado ao elenco, terá nova chance de mostrar seu futebol.

Maycon é observado por Carille durante treino nesta terça, na arena (Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)

Kazim ganhou espaço após o gol da vitória sobre o Audax. Apesar de Jô estar 100% depois de ter sido poupado por questões físicas, Carille entendeu que o momento do gringo é melhor.

Com nove pontos em quatro partidas, o Corinthians é líder do Grupo A do Paulistão.


Escalação provável do Corinthians: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel;Maycon, Rodriguinho, Romero e Marlone; Kazim
Desfalques do Corinthians: Walter, Carlinhos, Danilo, Giovanni Augusto, Marquinhos Gabriel e Jadson











Corinthianos podem comprar ingressos para jogo contra mirassol, lá
 A compra é realizada em dinheiro na loja Leãomania e na bilheteria do estádio Maião, das 9h às 21h. A venda também é feita pelo site do clube. http://guicheweb.com.br/mirassol/evento/5156







Carille diz ser um privilégio viver este momento no Corinthians

Depois do último treino antes do Derby, o treinador do Timão exaltou o clássico, falou sobre a presença da torcida e analisou as mudanças no elenco titular


20h30 21/02/2017 - Agência Corinthians






© Divulgação


Às vésperas do maior clássico do mundo, o Corinthians treinou nesta terça-feira (21), na Arena Corinthians, visando maior proximidade com o Derby, no mesmo campo, pelo Paulistão Itaipava 2017. Em coletiva à imprensa depois das atividades na Arena Corinthians, o treinador Fábio Carille disse que se sente privilegiado por fazer parte dos 100 anos de história do clássico paulista.

"Clássico é diferente, não tem jeito. É um privilégio para todos nós participar de um momento desse, para poucos. A gente se sente muito feliz. Entramos na internet e vemos na imprensa toda a história desse jogo, que faz 100 anos. Sempre bom lembrar das coisas boas de um clássico desse tamanho", falou o treinador.

A Fiel torcida esteve presente durante o treinamento e, segundo Carille, uma vitória no clássico pode fortalecer ainda mais a parceria entre a equipe e os torcedores, que apoiaram o time durante toda a atividade.

“Essas músicas deles sempre existiram, com o Corinthians bem ou mal. Estão abraçando a equipe, porque estão vendo entrega. Falei que isso nunca ia faltar. Aos poucos vamos conquistando, e uma vitória amanhã pode selar ainda mais essa parceria”, afirmou o treinador do Timão.

Durante o treino, a equipe titular sofreu algumas alterações em relação aos primeiros jogos da temporada. O técnico Fábio Carille optou por colocar Maycon no lugar de Fellipe Bastos e trocar o atacante Jô por Kazim.

“Não muda muito. O Maycon é um jogador dinâmico que ajuda a pressionar lá em cima. É nossa ideia de jogo. O Kazim é mais pivô e centralizado do que o Jô. É a única mudança que vejo para o jogo de amanhã”, comentou Carille, confirmando o Corinthians com a seguinte escalação: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel; Maycon, 
 Romero, Rodriguinho e Marlone; Kazim.

Nesta quarta-feira (22), o Corinthians fará o primeiro clássico no ano em que o Derby completará 100 anos de existência. A partida é válida pela quinta rodada da competição e está marcada para as 21h45, na Arena Corinthians.

Carille promove duas mudanças no Corinthians para o Dérbi. Veja o time!

Maycon e Kazim ganham a titularidade de Fellipe Bastos e Jô, respectivamente. Em atividade na Arena, treinador alvinegro ensaiou triangulações e bolas paradas

Timão treinou na Arena nesta terça-feira
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Timão treinou na Arena nesta terça-feira

(Foto: LANCE!Press)

Timão treinou na Arena nesta terça-feira
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Timão treinou na Arena nesta terça-feira
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Timão treinou na Arena nesta terça-feira
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Timão treinou na Arena nesta terça-feira
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Timão treinou na Arena nesta terça-feira
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Timão treinou na Arena nesta terça-feira
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Timão treinou na Arena nesta terça-feira
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Timão treinou na Arena nesta terça-feira
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Timão treinou na Arena nesta terça-feira
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Timão treinou na Arena nesta terça-feira
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians


1 de 12

ir à galeria

Next
COMPARTILHE00
Bruno Cassucci e Gabriel Carneiro
21/02/2017
19:25
São Paulo (SP)


O Corinthians terá duas novidades para o clássico contra o Palmeiras, nesta quarta-feira, na Arena. O volante Fellipe Bastos e o atacante Jô, que vinham sendo titulares da equipe, foram sacados para as entradas de Maycon e Kazim.

Assim, o Timão irá a campo no 4-1-4-1 com: Cássio, Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel, Romero, Rodriguinho, Maycon e Marlone; Kazim.

As mudanças ocorrem depois de o inglês naturalizado turco brilhar com um gol na vitória por 1 a 0 sobre o Osasco Audax, e de o técnico Fabio Carille revelar em entrevista ao LANCE! que Fellipe Bastos ainda precisará de um trabalho especial para aprimorar o condicionamento físico.

Na véspera do Dérbi, em atividade aberta na Arena, Carille ensaiou bastante a saída da defesa para o ataque, cobrando triangulações, e lances de bola parada e cruzamentos na área - tanto ofensivos, quanto defensivos.

Guilherme, desfalque no treino da última segunda-feira por conta de dores no joelho esquerdo, voltou a trabalhar com o elenco e ficará na reserva. Já Giovanni Augusto e Marquinhos Gabriel seguem em tratamento de problemas musculares e estão vetados do clássico. Léo Santos também está fora por problemas médicos, Jadson e Walter estão em recondicionamento físico e Camacho foi liberado por questões particulares.

Principal reforço do Timão na temporada, o meia Jadson nem sequer foi relacionado para o duelo desta quarta-feira. O jogador deve reestrear com a camisa alvinegra na próxima quarta-feira, contra o Brusque, pela segunda fase da Copa do Brasil.

CONFIRA A LISTA DE RELACIONADOS DO TIMÃO PARA O DÉRBI:

Goleiros: Cássio e Caique
Laterais direito: Fagner e Léo Príncipe 

Laterais esquerdo: Guilherme Arana e Moisés
Zagueiros: Pablo, Balbuena, Pedro Henrique e Vilson
Volantes: Gabriel, Maycon, Paulo Roberto, Fellipe Bastos e Marciel
Meias: Marlone, Rodriguinho e Guilherme
Atacantes: Jô, Kazim, Romero e Léo Jabá



CORINTHIANS TREINA NA ARENA CORINTHIANS
Vai começar a coletiva de Fábio Carille.
19h45

Treino vai terminando na Arena Corinthians. Maycon foi bem nas bolas paradas. Jogador canhoto é opção. #trsccp

Jadson treina bem demais nesta terça. É acima da média e está muito perto de reestrear. #trsccp

Marciel e Léo Jabá tem dividida dura. Volante sente, mas fica de pé. Atacante vai ao chão, mas depois levanta. Aparentemente, está tudo bem.
O Jadson disse que reestreará pelo Corinthians contra o Brusque, pela Copa do Brasil.


Lesionados, Giovanni Augusto e Marquinhos Gabriel seguem como desfalques #trsccp



Reservas fazem um treino técnico. Jadson, Guilherme, Jô, etc #trsccp





Fagner conversa com Osmar Loss #trsccp



Fim de tarde na Arena #trsccp


E Kazim ganha a disputa com Jô. Foi o autor do gol da vitória do Corinthians sobre o Audax #trsccp




Maycon é a grande novidade para o clássico #trsccp



De acordo com essa primeira atividade de hoje, Kazim seria titular amanhã
FOTO: MARCOS RILBOLLI


Carille escala Kazim e Maycon entre os titulares, nos lugares de Jô e Fellipe Bastos, para a primeira atividade antes do clássico!

Cássio, Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel; Maycon, Rodriguinho,Romero e Marlone; Kazim #trsccp



Fim de tarde na Arena Corinthians. #trsccp






"Vamos jogar com raça e com o coração. É o time do povo, é o Coringão", cantam #trsccp



Clima de apoio ao Corinthians, que treina daqui a pouco. Fábio Carille e seus jogadores entram em campo. #trsccp

Goleiros aquecem no campo, e a torcida já canta forte na arquibancada do Setor Norte #trsccp


Treino aberto para a torcida, que faz sua festa na Arena Corinthians. #trsccp


Torcida liberada na Arena Corinthians #trsccp


Como falamos mais cedo, Bruno Paulo foi liberado do treino para acompanhar o funeral do pai de Camacho #trsccp

#ForçaCamacho, Logo Logo você volta e começa a voar no meio campo.



Elenco do Corinthians faz aquecimento no vestiário da Arena. #trsccp

Camacho e Bruno Paulo não treinam hoje. Pai do volante faleceu no domingo, e atacante também vai ao funeral. #trsccp



Jogadores aquecem #trsccp


Alguns torcedores já vão chegando nos arredores da Arena Corinthians. Portão vai abrir na meia hora final da atividade #trsccp
Jogadores do Corinthians aquecem na sala de aquecimento da Arena antes de subirem ao campo #trsccp

 O treino abre para a torcida por volta de 18h45



Gramado da Arena é irrigado minutos antes da atividade. #trsccp 18h




Os dois telões vão exibir material relativo ao Dérbi. #trsccp


O derby completa 100 anos em 2017. Desde ontem, clubes fazem ações conjuntas para promover o jogo. #trsccp


Globo Esporte: Fala, Charlison. Tem, sim. É essa: Cássio, Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel; Romero, Fellipe Bastos, Rodriguinho e Marlone; Jô (Kazim)



Fala, corintiano! Boa tarde. Começamos agora a transmissão em tempo real do último treino do Timão antes do derby, nesta quarta.




CORINTHIANS FAZ HOJE TREINO ABERTO A TORCIDA NA ARENA CORINTHIANS EM VÉSPERA DE DERBY
O Corinthians anunciou que permitirá a presença da Fiel torcida em parte do treino de hoje na Arena Corinthans. O acesso dos torcedores será pelo acesso LESTE, no Portão O (Setor Norte), 30 minutos antes do final do treino, que terá início às 18h e deve durar entre uma hora e uma hora e meia.





Técnico Fábio Carille elogia volante Fellipe Bastos, mesmo ainda em adaptação ao futebol brasileiro e precisando de trabalhos físicos mais fortes


Bruno Cassucci e Gabriel Carneiro

21 FEV2017
09h11
atualizado às 09h11

Contratado no início deste ano, o volante Fellipe Bastos, de 27 anos, vem agradando ao técnico Fabio Carille e atuou em sete das oito partidas nesta temporada. O atleta estava atuando nos Emirados Árabes Unidos, país no qual os treinos e os jogos são em ritmos menos intensos.
- Não sei se é iniciando os jogos ou participando um pouco, mas ele não vai ser afastado nunca. Ele pode chegar mais cedo e fazer trabalhos paralelos sozinho, como foi com o Vagner Love, igual está sendo com o Jadson, que fez um período sozinho, depois foi integrado e treinou em outro período separadamente. É assim que entendo que o Fellipe pode chegar o quanto antes na sua melhor condição - declarou o treinador

- A minha última referência do Fellipe é no Grêmio. Ele vai ter que passar por um processo e precisa entender que quando um jogador vem da Arábia e da China precisa passar por um trabalho, lá é menos intenso. Ele pega muito bem na bola, tem marcação forte, preenche bem o campo adversário, vinha trabalhando como primeiro volante na Arábia. A gente tem todas essas informações. Ele é um jogador de personalidade, busca o jogo para tentar armar, com certeza em algum tempo vai estar na melhor condição física e vai nos ajudar muito!




21/02/2017 08h20

Técnico Fábio Carille explica a dúvida para definir o Corinthians no clássico: 
Kazim ou Jô?
Escolha do atacante mais avançado na quarta-feira, é a principal escolha do técnico corinthiano, que também vai dar atenção especial a Gabriel


Por Lucas Strabko*

Kazim (à esq.) e Jô: dúvida no ataque do Timão para o Dérbi (Foto: Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians)

A principal dúvida de Fábio Carille no Corinthians para o Derby, nesta quarta-feira, na Arena Corinthians, é quem será o atacante mais avançado do Corinthians. A vaga está entre Kazim e Jô. De acordo com o treinador, a decisão será tomada de acordo com o momento e as características dos jogadores.

– Os dois têm trabalhado bastante. Kazim perdeu toda a pré-temporada. Jô fez a última partida foi em julho. Precisa ver departamento físico, de fisiologia, para fazer o melhor para o Corinthians. Estou pensando muito, assistindo a muitos jogos do Palmeiras nesses dias. Kazim é um jogador mais de área, mais pivô. Jô mais de movimentação. Essa é a diferença dos dois – disse Carille, sem revelar a escolha


Para o Dérbi, o treinador corinthiano dará atenção especial a Gabriel antes da partida.

– Ele saiu chateado de lá. Agora está no Corinthians, muito feliz. É trabalhar para ele ir bem.

Fabio Carille  (Foto: Lucas Strabko)

Uma certeza de Fábio Carille é a ausência de Jadson no clássico e também diante do Mirassol, no próximo sábado. A torcida corintiana deve aguardar um pouquinho mais para ver em campo o camisa 77, que participou de jogo-treino na manhã de segunda-feira.

– Programação dele é para março. Foram duas semanas parado. Precisa dar uma base melhor. Em março, temos nove jogos – explicou Carille.







Fellipe Bastos é elogiado, mas terá de fazer trabalho especial no Timão

Técnico Fabio Carille exalta volante contratado pelo Corinthians neste ano, mas aponta dificuldades dele na adaptação ao futebol brasileiro após temporada nos Emirados Árabes


Bruno Cassucci e Gabriel Carneiro

21 FEV2017
09h11
atualizado às 09h11

Contratado no início deste ano, o volante Fellipe Bastos, de 27 anos, vem agradando ao técnico Fabio Carille e atuou em sete das oito partidas nesta temporada. Contudo, a comissão técnica do clube diagnosticou problemas físicos no atleta e prepara um trabalho especial para ele entrar em forma.

O atleta estava atuando nos Emirados Árabes Unidos, país no qual os treinos e os jogos são em ritmos menos intensos.

Apesar do problema, Carille não pensa em afastar Fellipe Bastos da equipe enquanto ele busca o melhor condicionamento físico.

- Não sei se é iniciando os jogos ou participando um pouco, mas ele não vai ser afastado nunca. Ele pode chegar mais cedo e fazer trabalhos paralelos sozinho, como foi com o Vagner Love, igual está sendo com o Jadson, que fez um período sozinho, depois foi integrado e treinou em outro período separadamente. É assim que entendo que o Fellipe pode chegar o quanto antes na sua melhor condição - declarou o treinador .

Fellipe tem sofrido resistência de parte da Fiel torcida, que pede maior utilização de Maycon e Marciel, jovens revelados na base, que são xodós dos torcedores. Porém, Carille rasga elogios ao camisa 21:

- A minha última referência do Fellipe é no Grêmio. Ele vai ter que passar por um processo e precisa entender que quando um jogador vem da Arábia e da China precisa passar por um trabalho, lá é menos intenso. Ele pega muito bem na bola, tem marcação forte, preenche bem o campo adversário, vinha trabalhando como primeiro volante na Arábia. A gente tem todas essas informações. Ele é um jogador de personalidade, busca o jogo para tentar armar, com certeza em algum tempo vai estar na melhor condição física e vai nos ajudar muito!

















 21/02/2017 07h30

Em Dérbi, Fagner alcançará marca expressiva no Corinthians
Lateral-direito chegará a 179 jogos pelo Timão, que passará a ser o clube que ele mais defendeu na carreira. Jogador espera que torcida volte ao lado do time


Por Marcelo Braga



Fagner chegará a 179 jogos pelo clube nesta quarta-feira (Foto: Marcelo Braga)

O Corinthians passa a ser, nesta quarta-feira, às 21h45, no derby, o clube pelo qual o lateral-direito Fagner mais defendeu como profissional.

Ele chegará a 179 jogos pelo Alvinegro. O lateral foi lançado pelo Timão no final de 2006. Tinha, então, 17 anos. Após passar por outros 4 clubes, ele voltou ao Timão em 2014. Agora, aos 27 anos, 11 anos depois de fazer seu primeiro jogo como profissional, chega à marca expressiva justamente num jogo tão importante para os corinthianos: o Dérbi.

Ídolo da torcida corinthiana e uma das lideranças do elenco, o lateral-direito espera casa cheia na Arena Corinthians.

– Eu, se fosse o torcedor, pelo amor que teria pelo clube, estaria incentivando, indo ao estádio, pois só juntos é que vamos fazer as coisas voltarem a ser como eram – disse o jogador.

Ainda em início de trabalho, o Corinthians acumula oito jogos na temporada, com cinco vitórias, um empate  e uma derrota. Na visão do lateral-direito, o momento precisa ser de apoio das arquibancadas.

– Estamos nos dedicando a cada dia, buscando jogar bem, fazendo nosso melhor. Sabemos que não é todo dia que vamos ganhar dando show, vai ter dia que vai ser 1 a 0 sofrido, futebol é assim. Cabe ao torcedor decidir. Se achar que deve incentivar e estar junto, será bem-vindo. Se achar que não deve acreditar e não confiar, vamos tentar resgatá-lo dentro de campo.


Confira a entrevista de Fagner ao GloboEsporte.com:

Não é todo dia que vamos ganhar dando show, vai ter dia que vai ser 1 a 0 sofrido, futebol é assim
Fagner

GloboEsporte.com: Dos titulares do hexacampeonato brasileiro conquistado no ano passado, sobraram você e Cássio. O que ainda o move?
Fagner: Tenho contrato, graças a Deus, isso é um bom motivo (risos). E estou feliz também, além de estar perto de casa, da minha família, estou no clube que me criou, isso me motiva a querer cada vez mais conquistar coisas aqui.


Você já admitiu algumas vezes que pretende voltar para a Europa. Ainda pensa nisso?
Futebol é muito de momento e situações. Claro que é uma coisa que tenho dentro de mim. Por ter ido duas vezes (PSV, da Holanda, e Wolfsburg, da Alemanha) e ter voltado precocemente, tenho essa vontade de consolidar uma carreira lá fora. Mas sou muito feliz aqui, onde estou há 11 anos somando tudo (duas passagens), a felicidade é imensa. Só o tempo pode dizer o que vai acontecer. Enquanto não chegar papel de fato e você não ter que tomar uma decisão que pode mudar a sua vida, você não tem como trilhar caminhos. Meu caminho hoje é aqui.


Titular do Corinthians e opção na Seleção. Como avalia o seu momento?
É difícil falar de nós mesmos, não gosto de ficar falando nem de qualidade nem de defeitos, tenho sempre que melhorar e buscar evolução. Deixo isso para as pessoas que estão observado. Mas estou feliz com o meu momento da carreira, com tantas coisas boas acontecendo.

Fagner chega a 179 jogos pelo Corinthians no Dérbi (Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)

Você somou dez assistências no ano passado. E, em 2017, já são duas. Isso te motiva?
Não é o principal objetivo, que é sempre fazer um grande trabalho, dar o melhor em campo. Fico feliz quando deixo um companheiro em situação de gol ou quando cruzo uma bola, que é uma das principais funções de um lateral, para um jogador na área concluir em gol. Isso dá felicidade grande, mas aqui eu aprendi conceitos de marcação e vejo futebol um pouco diferente hoje, não só para atacar e decidir o jogo. Em primeiro lugar, quero jogar bem.


Você ter a manutenção dos jogadores é importante, são atletas que se conhecem e sabem o caminho das vitórias. Nós naquela situação perdemos muitos jogadores, mas mantivemos o treinador (Tite só saiu em junho), a ideia se manteve por muito tempo. Mas isso varia muito. Às vezes, você termina o ano muito bem e começa o outro mais ou menos. Ou termina mal e começa o outro bem. É dinâmico.

Mais importante do que ganhar é a equipe jogar bem. Resultado é consequência
Resultado é consequência, não tem como prever. O que tem como coordenar é a nossa determinação, é jogar bem e merecer a vitória. Isso a gente pode controlar. Assim, estaremos mais perto da vitória.

Corinthians para amanhã:
Escalação provável: Cássio, Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel; Fellipe Bastos, 
Romero,  Rodriguinho e Marlone; Jô (Kazim).
Desfalques: Walter, Carlinhos, Danilo, Giovanni Augusto, Marquinhos Gabriel e Jadson






 21/02/2017 10h33
Corinthians libera Bruno Paulo para funeral do pai de Camacho
Amigo do volante desde criança, jogador não participará do treino desta terça
Por Marcelo Braga

Um dos melhores amigos de Camacho, o atacante Bruno Paulo foi liberado pela comissão técnica do Corinthians para acompanhar o funeral de Anízio, pai do volante corintiano, que faleceu no domingo por conta da queda de um elevador na residência da família, no Rio de Janeiro.

Liberado das atividades desta terça-feira, o jogador seguiu para o Rio de Janeiro, onde se encontrará com o amigo. 


Por conta da tragédia, Camacho não irá participar do derbi quarta-feira, às 21h45, na Arena Corinthians. Bruno Paulo não está inscrito no Paulistão e pode ser emprestado pela diretoria nas próximas semanas.





Andrés se reaproxima, mira futebol e não descarta candidatura no Timão

Após ajudar na articulação contra o impeachment de Roberto de Andrade e ter êxito, Andrés diz querer 'voltar a ajudar' e não descarta ser candidato em fevereiro de 2018


Bruno Cassucci e Guilherme Amaro

21 FEV2017
07h58
atualizado às 07h58

Ex-presidente e ex-superintendente de futebol do Corinthians, Andrés Sanchez tem se reaproximado e mira novamente um cargo no clube. Após ajudar na articulação contra o impeachment de Roberto de Andrade e ter êxito, Andrés que voltar a ajudar.

Em entrevista depois da votação do Conselho Deliberativo que barrou o processo de impeachment, Andrés disse que Roberto de Andrade "errou em algumas atitudes na administração, mas sem cometer dolo", apontou que é preciso delegar funções no clube e afirmou que espera mudanças do presidente já a partir desta terça-feira. Ele, por outro lado, lembrou da sua rotina em Brasília por conta do cargo de deputado federal.

- Não sei nem se o Roberto é intransigente, mas óbvio que um clube de futebol, ainda mais o Corinthians do tamanho que é, tem que delegar e dividir poderes, senão não consegue administrar. Você sozinho não consegue ver tudo no clube. É importante que ele tenha entendido isso e que a partir desta terça já comece a mudar - afirmou Andrés, antes de ser questionado se gostaria de ajudar na gestão.

- Com certeza, o presidente sabe disso, tem outras pessoas tralhando para isso, ele vai entender. Eu não tenho tempo, ajudo com opinião, infelizmente estou em Brasília e não dá para viver o dia a dia aqui. Mas tem gente competente aqui que vai ajudar o presidente - acrescentou.

Mesmo em Brasília, Andrés ocupou o cargo de superintendente de futebol do clube em 2015. Na época, ele participava de decisões e até negociava à distância. Já no início deste ano, sugeriu um projeto para auxiliar na gestão de Roberto de Andrade, com um grupo formado por pessoas influentes no Parque São Jorge, incluindo o próprio Andrés e Luis Paulo Rosenberg, ex-diretor de marketing.

Agora, com o processo de impeachment barrado no Conselho Deliberativo, Andrés não descarta se candidatar para a presidência em fevereiro de 2018. Ele pode exercer o cargo novamente após esperar duas eleições.

- Eu nunca vou falar não para o Corinthians, mas vou lutar bastante e tentar não ser (presidente) - disse.


Técnico Fábio Carille se sente abraçado no Timão. Ele vê Fiel mais confiante, relata esforço para se soltar
Bruno Cassucci e Gabriel Carneiro

21 FEV 2017 07h05 atualizado às 07h05
Fabio Carille jamais escondeu que se inspira em Tite para construir sua própria história como técnico do Corinthians. Foram cinco anos e meio trabalhando lado a lado, compartilhando impressões, lamentando derrotas e comemorando títulos - muitos deles, aliás. Agora em carreira solo, o profissional de 43 anos, Fábio Carille tem adotado atitudes mais comedidas que Tite. E vê a postura como uma mera expressão de sua personalidade no trabalho.

- Nunca vou ser um personagem ali, mas a cada jogo vejo que estou mais participativo, mais solto. Em Corinthians 1x0 Audax mesmo eu passei 90 minutos falando. Estou me ambientando com o espaço. Não vou ser como o Tite, mas com certeza vou ser mais do que sou hoje na questão de participação, de falar, de cobrar em cima do que foi trabalhado. Se eu ficar nervoso eu não penso, então estou sempre tranquilo e ciente do que está acontecendo em campo - diz o técnico.

Treinador do Corinthians em 18 partidas até o momento, sendo oito depois de efetivado, Fabio Carille tem quase 80% de aproveitamento nos compromissos deste ano.

Você comandará seu primeiro Dérbi pelo Corinthians. Tem algum jogo em especial que você participou e foi marcante para você?

É um jogo que chama a atenção mesmo, talvez seja o principal clássico do Estado e são muitos jogos marcantes. Mas vou falar de um derby que aconteceu depois que eu já tinha chegado ao Corinthians, que foi em 2012. Entramos com uma equipe alternativa por conta da Libertadores, nossa dupla de volantes era o Marquinhos e o Willian Arão, dois garotos. Saímos perdendo de 1 a 0 logo no início, mas controlamos o jogo e viramos para 2 a 1 com dois gols do Romarinho, outro menino que havia acabado de chegar ao Corinthians. Esse jogo foi muito marcante para mim pela resposta que o time alternativo nos deu.


Existe algum Dérbi que vem à cabeça sem que você tenha participado?

Tem um em 1995, em Ribeirão Preto. Eu sou de Sertãozinho, cidade que fica a 15 minutos de carro de Ribeirão. Teve um gol do Elivélton no finalzinho, o Corinthians foi campeão paulista. Eu fui ao estádio, estive presente, então foi muito marcante para mim.


Você foi à essa decisão como torcedor do Corinthians ou foi para assistir, por ser um grande evento próximo da cidade e tal?
Era um evento desse tamanho na região, meu pai havia sido jogador do Botafogo de Ribeirão Preto e teve facilidade para conseguir ingressos. Por isso fui e lembro de tudo até hoje.


Falando mais sobre o trabalho, o 4-2-3-1 será mesmo o esquema do Corinthians ou você vai admite voltar ao 4-1-4-1 dependendo do adversário?
Essas são as duas formações que estamos trabalhando desde o início. Vai depender de jogo a jogo, mas está tudo bem explicado aos atletas. Não vou sair nenhuma vez de alguma dessas formações, porque temos jogadores para fazer isso.


Você já tem um time ideal ou esse time nem existe?
Tenho algo perto disso. Mas ainda é cedo para falar, porque temos o Jadson para entrar, e não sei onde ele vai entrar ainda. É cedo, mas gosto de deixar aberto. Talvez eu tenha errado depois da vitória do Corinthians sobre a Caldense, de não ter feito algumas modificações por conta da viagem. Talvez eu tenha errado, mas fica como aprendizado. Aí contra o Audax fizemos algumas substituições para deixar o time mais encorpado e ganhamos novas peças.


Existe algo que você pede aos jogadores nas conversas ou nos treinos, mas ainda não está sendo feito como você deseja?
Sim, especialmente na parte ofensiva, de fazer as melhores escolhas e ter uma melhor finalização. Estamos chegando, criando, e a partida contra o Santo André foi a prova disso, conosco toda hora na área do adversário, mas faltando paciência, faltando timing de fazer uma escolha melhor. Essa está sendo minha busca hoje.


Na vitória sobre o audax, o Corinthians esperou mais, teve um jogo mais reativo. Isso pode ser repetido no Derby na Arena ou você não abre mão de ser o time que propõe jogo em casa?

Na vitória do Corinthians sobre Audax trabalhamos mais nos vídeos e nas conversas, pensamos em pressão alta e baixa. Mas com o calor que estava em Osasco não conseguiríamos pressionar lá em cima o tempo inteiro. Sabíamos que era uma equipe que rodava bem a bola e por isso jogamos mais no nosso campo. O gol que fizemos foi pressionando lá. A ideia era fazer mais isso, mas o desgaste foi forte e controlamos mais no nosso campo. Agora sobre o clássico, temos que propor o jogo, sim. Normalmente as equipes menores vêm fechadas, mas quarta temos que contar que eles vêm para jogar mais, por serem uma equipe mais pronta, mais fortalecida. Talvez a gente divida as ações.


Conseguimos notar que a torcida do Corinthians te abraçou mais nos últimos jogos?

Sinto que fui abraçado. Ano passado foi muito importante para mim naqueles seis jogos, 28 dias à frente do comando me fortaleceram. Não só para o torcedor e para a imprensa, mas para mim mesmo, de ir à frente do grupo, dar preleções, expor, falar mesmo com o grupo. Sinto que o clima está legal e com trabalho e dedicação as coisas vão acontecer cada vez mais.


E com o Tite, ainda está trocando ideias? Ele continua acompanhando o Corinthians?
Ontem (domingo) mesmo conversamos um pouquinho. Foram cinco anos e meio juntos, ele é um cara que me deu todas as condições de ser um profissional melhor, dividindo responsabilidades, deixando eu ir a campo comandar treino, dando preleções. Sou muito grato e a gente continua se correspondendo, sim.

Mas ele é aquele amigo e mentor que só elogia ou também dá umas cornetadas às vezes?
Impressionante, mas ele não fala nada. A não ser que eu pergunte. Mas conheço muito bem e sei que ele não entra em alguns assuntos. Até mesmo por ele não conhecer muito o elenco, é totalmente diferente do que ele pegou. Ele não fala nada e o perfil dele é isso mesmo.

Voltando a falar sobre seu elenco, você ganhou quatro meninos da Seleção sub-20 recentemente. Qual deles vê como mais pronto para jogar?
Pela resposta que eles já deram dentro de campo, o que eu menos conheço é o Léo Jabá, o que menos trabalhou com a gente. O zagueiro Léo  já jogou com a gente ano passado e foi bem contra o Figueirense. Agora na Seleção ele foi muito bem, conversei com o Micale, com o Eduardo Barroca e recebi esse feedback. Maycon já jogou e deu resposta boa, Marciel de uma geração anterior também. Agora é o Léo Jabá, que precisa ser mais efetivo, aproveitar melhor as oportunidades. Ele tem velocidade, tem força, tem o físico, agora é trabalhar para melhorar a finalização.


O que temos observado é que os meninos que estão chegando ao elenco têm mais versatilidade. Isso virou uma filosofia do clube?
O mais importante de tudo é eu sempre mostrar a ideia a todos. Mesmo o Mantuan, que é um cara de meio de campo, sabe o que o lateral do Corinthians precisa fazer. Mesmo o Marciel sendo volante, da mesma forma. Essa é minha ideia de dar oportunidades iguais a todos nos trabalhos, de todos verem o que queremos de distribuição tática, posicionamento sem a bola, posicionamento com a bola. Isso facilita no dia a dia. Dificilmente você verá um trabalho meu no 3-5-2, porque não vou jogar assim. Então os reservas terão a mesma ideia de jogo dos titulares, aí parte para o talento dos jogadores de resolverem as situações.


Em cima dessa questão de versatilidade, o Maycon entrou numa posição incomum contra o Audax. Você imagina usar ele assim ou foi uma situação pontual?
Não imagino, não. Foi uma improvisação mesmo. O que aconteceu contra o Audax é que ficamos sem jogadores de lado. Sabíamos que o Léo Jabá não aguentaria e que o Marlone tinha pouco tempo. Se o Kazim fica um pouco mais, já entraria direto com o Marlone, mas o Kazim pediu para sair com cinco minutos, seria muito tempo para deixar o Marlone exposto em campo. Por isso a ideia de trabalhar com o Maycon ali. O Osmar Loss disse que ele poderia fazer a função sem problema e por isso colocamos naquele momento.


O Corinthians ainda precisa melhorar?

Precisa melhorar, sim. Talvez nosso elenco seja o que mais mexeu, isso leva um tempo de entrosamento, de ideias... Mas nosso elenco é forte. O Jô foi para Copa do Mundo, ninguém faz isso à toa. O Jadson tem qualidade. Contamos com jogadores que estão aqui desde o ano passado e que acredito que esse ano vão dar resposta melhor, como Giovanni Augusto, Marquinhos Gabriel, entre outros. Tivemos de acelerar o processo desses jogadores irem a campo o quanto antes porque vendemos 20 jogadores. Desde que eu cheguei aqui o Corinthians sempre teve paciência com esses jogadores, como foi com o Leandro Castán, que ficou um ano no banco, Paulinho no banco do Elias, Romarinho... Todos conheceram o Corinthians e depois deram uma resposta esperada. Os jogadores que chegaram ano passado não tiveram isso, chegaram e vestiram a camisa com a pressão de um time que havia sido campeão brasileiro.


E por que eles não engrenaram ainda?
O que está acontecendo neste início e a torcida está entendendo é a entrega dos jogadores. Eu perdi jogos nestes oito anos de Corinthians e saí de campo aplaudido pela entrega. Corinthiano é assim, e está acontecendo isso. O que peço para os atletas é manter a entrega que aos poucos o entrosamento e a técnica vão melhorar, e os resultados acontecerão. Está legal de ver, os jogadores querem saber a forma de jogar, em breve os torcedores estarão mais com a gente.


Somando tempo como interino e efetivado, você tem 18 jogos pelo Corinthians. Nesse período o time fez 18 gols. Esse ataque econômico será uma marca do seu trabalho ou você está insatisfeito com esse número?

Não é uma marca e não trabalho para ser isso. Tanto que estamos criando oportunidades. Recebi hoje a informação de que nossa equipe é a que mais finaliza no Campeonato Paulista. Está precisando acertar o gol, ser precisa para aumentar esse gol. Deixei claro no início que a maior preocupação era o setor defensivo, já que levamos muitos gols no ano passado. Isso está controlado, jogados oito partidas e tomamos um gol. Isso está controlado, acertamos, e vamos passar por um outro processo, que tem que ser rápido. Mas o que me deixa satisfeito é que estamos criando, entrando na área do adversário. Precisamos de uma qualidade melhor para finalizar.


Nesta quarta-feira você completa dois meses como efetivado. O que mudou?

A diferença para mim é muito clara. Você assume no domingo e na quarta já tem jogo, não tem tempo de colocar as suas ideias em prática porque tem pouco tempo para trabalhar, é mais conversa. O que me deixa mais tranquilo e dá uma tranquilidade de que pode ser melhor do que o ano passado é que tive pré-temporada e desde o primeiro treino com bola eu já deixei a minha ideia clara para o grupo. É isso, todos trabalhando iguais, e vou colocar o grupo para rodar. É claro que não fazendo cinco ou seis trocas, porque isso desmonta a equipe, mas já passei para o grupo que farei mudanças.
O mais importante é o jogador intenso e inteiro no campo, tanto que o Jô e o Marlone se colocaram fora do jogo por conta das situações deles. É melhor você preservar o atleta e ele estar inteiro do que levá-lo para o jogo e ele não estar no seu melhor. São muitas viagens, muitos jogos, todos têm de estar atentos pois as oportunidades vão aparecer.


A efetivação te deu mais confiança na relação com os atletas?

Mudou, porque consigo ser mais claro com eles dentro do trabalho. Em 28 dias que assumi ano passado tive seis jogos nesse meio tempo. Viagem, jogo... Você não consegue passar sua ideia, acaba mantendo como vinha. Agora eu consigo colocar como pressionar, como baixar para marcar, como passar da linha da bola, isso deixa mais à vontade para falar com o grupo.


E com tudo isso acontecendo você acredita que haja chance de o Corinthians ser campeão esse ano? 

Estamos trabalhando para que aconteça o melhor, é muito cedo para falar, o Corinthians precisa melhorar e muito. Quem sabe em cinco jogos eu tenha uma resposta diferente. Mas hoje nossa busca é melhorar, todos terem um bom entendimento do jogo.

E seu estilo a beira do campo?

Nunca vou ser um personagem ali, mas a cada jogo vejo que estou mais participativo, mais solto. Contra o Audax mesmo eu passei 90 minutos falando. Estou me ambientando com o espaço. Não vou ser como o Tite, mas com certeza vou ser mais do que sou hoje na questão de participação, de falar, de cobrar em cima do que foi trabalhado. Mas se eu ficar nervoso eu não penso, estou sempre tranquilo e ciente do que está acontecendo em campo.


E em campo, diverge com o Tite?
Não. A gente discutia muito sobre os trabalhos e a forma de jogar. Nisso sim a gente era muito parecido, dificilmente você vai ver algo no meu time diferente do que o Tite fez. Só minha forma de ser, de falar na beira do campo, é muito diferente e nunca vai ser como o Tite.


Hoje você tem o seu próprio Carille, que é o Osmar Loss. Já deu tempo de ele acrescentar algo? Como está a relação?
Muito pouco em relação a trabalho, porque não dá tempo, a gente tem que trabalhar dentro de uma ideia e filosofia. Conheço o Loss há muito tempo, de ir ver jogos da base, ficar perto, ver treinos... Ele está ajudando muito, é um parceiro. Sabia que isso iria acontecer, ele está vindo com ideias, me ajudando muito com meninos que subiram, pois ficaram na mão dele por um tempo. Escalar o Maycon aberto, por exemplo, veio dele. Ele já tinha uma ideia do que o Maycon poderia render lá. O Loss está bastante integrado e ajudando a equipe.


E também está carregando os gols, preparando material de treino, coisas que antes era você quem fazia...
(Risos) Essa questão é porque a gente fica ali dentro resolvendo problemas, tomando decisões, aí vem para o campo praticamente na hora do trabalho. Mas quando eu venho para o campo antes eu puxo uma trave também, ando no campo com a bola na mão, não consigo ficar parado.


Você já falou várias coisas que gosta em ser o técnico efetivado do Corinthians. E do que não gosta? O que te incomoda?
Não é um incômodo, mas tem que passar por você, viagem para o Chile, para Brusque, horário em que vamos treinar... Não são problemas, mas questões que o técnico tem que resolver. Se vamos treinar à noite, à tarde, coisas que temos que cuidar, por isso fico ali na salinha resolvendo com diretores e comissão. O que tenho que me acostumar é mesmo em dar entrevista, vir enfrentar os repórteres... Às vezes você vem preparado para uma situação e tem que dar outra resposta, mas tenho que me acostumar.



O que te tira do sério?
Como técnico ainda não passei por nada que me tirasse do sério. Com certeza virão problemas, terei que tomar decisões, ser mais enérgico, mas como técnico o que me incomoda e fez até eu chamar os atletas foi um gol de falta lateral contra o Santo André. Coisa que a gente fala, mostra vídeo, trabalha e que não fizemos. Podemos até tomar o gol, mas do jeito que foi, com linha entrando, linha que quebra... Falei para os jogadores na apresentação: vou cobrar muito vocês, mas para eu cobrar, tenho que treinar. Se eu treino, mostro e acontece, tenho argumentos para cobrar do meu grupo. Vão acontecer coisas no jogo que teremos que usar alternativas que não foram treinadas. Mas situações que treinei, posso cobrar do meu grupo.


E nesse período, o que houve que te deixou realizado?
Aconteceram muitas coisas, como as triangulações, preenchendo espaço, Fagner e Moisés ultrapassando... Pensei "pô, está havendo entendimento do trabalho passado, falta o capricho na finalização". O outro lado balançava, fechava bem, mas é claro que a gente precisa trabalhar mais e não vinha dando tempo. Mas dá orgulho quando você o trabalho dando resultado.


E os jogadores também estão ajudando nesse processo? De leitura de jogo mesmo.
Principalmente o defensivo, pois destruir é mais fácil que construir. A entrega que teve no jogo contra o Audax, por exemplo, com os pontas baixando a marcação, indo até atrás, o triangulo do meio com Camacho, Gabriel e Rodriguinho fazendo o balanço certinho... Exemplar. Isso me deixa muito feliz e vou ficar ainda mais quando a gente equilibrar a parte ofensiva.


Por falar nisso, estamos vendo muitos jogadores, especialmente os mais jovens, fazendo trabalhos especiais depois dos treinos. Isso é proposto por vocês ou vem deles?
É incentivado, mas está sendo muito do interesse deles. Isso já acontece aqui com o Pedro, Vilson, outros jogadores até com mais idade, que buscam melhorar, fazer trabalho de cabeceio e passe longo. Deixamos eles à vontade, mas eles se mostram interessados.


Agora para encerrar, voltando ao derby.. está ansioso?

Não tem como ser diferente, é um jogo diferente, sabemos a proporção que tem pela grandeza, pela história, mas estou mais tranquilo que o normal. Achei que esses dias seriam de bastante ansiedade, aquele frio na barriga, é claro que tem, mas estou controlando bem, acho que por estar com o grupo sabendo o que queremos, isso ajuda a ter tranquilidade.