26 de nov de 2016

CORINTHIANS 26/11/2016













CORINTHIANS 0 X 0 atl cu
Brasileiro 2016- 37ª rodada
Local: Arena Corinthians
Data-hora: 26 de novembro de 2016, às 21h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxiliares: Elio Nepomuceno de Andrade Junior(RS) e Lucio Beiersdorf Flor (RS)
Público/renda: 24.956 total 24.701 pagantes 255 nao pag/R$ 1.291.293,00
Cartões amarelos: Camacho, Rodriguinho, Vilson (COR); Lucho González, Thiago Heleno (ATL)

CORINTHIANS: 27-Walter; 23-Fagner, 15-Vilson, 4-Balbuena e 6-Uendel; 16-Cristian (17-Giovanni Augusto 26'2ºT); 29-Camacho, 8-Marlone, 26-Rodriguinho, 31-Marquinhos Gabriel (9-Gustavo 35'2ºT); 11-Romero (30-Lucca 2'2ºT). Técnico: Oswaldo de Oliveira + 12-Cássio, 32-Léo Principe, 34-Pedro Henrique, 14-Léo, 13-Guilherme Arana, 22-Marciel, 21-Jean, 10-Guilherme, 18-Léo Jabá

atl cu: 12Weverton; 33Léo, 13-Paulo André, 44Thiago Heleno e 8-Sidcley; 7-Otávio, 23-Hernani (20-Matheus Rossetto 35'2ºT), 3Lucho González (21João Pedro 24'2ºT), 92-Pablo e 77-Lucas Fernandes (11Nikão 15'2ºT); 99André Lima. Técnico: Paulo Autuori + 1-Santos, 2Rafael Galhardo, 45Marcão, 89-Wanderson, 98Renan Lodi, 5-Deivid, 22Marcos Guilherme, 70-Yago, Luan



Corinthians empata jogo contra atl cu na Arena Corinthians

Na última rodada do Brasileirão 2016, o Timão enfrenta o Cruzeiro, no próximo domingo (03), às 17h no Mineirão, em Belo Horizonte-MG.


23h20 26/11/2016 - Agência Corinthians



Rodriguinho em ação
Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians


Na noite deste sábado (26), o Corinthians empatou o jogo contra atl cu por 0 a 0 na Arena Corinthians, na penúltima rodada do Campeonato Brasileiro 2016. O Timão segue na sétima posição na tabela de classificação com 55 pontos ganhos.

O duelo contra o time paranaense começou bastante equilibrado na primeira etapa, mas com o Timão no controle da posse de bola e criando as melhores chances de gol. Na melhor delas, Rodriguinho arrisou de fora da área e acertou a trave o goleiro Weverton.

Na segunda etapa, o Corinthians foi incisivo na busca pela vitória. Cristian recebeu cruzamento na entrada da área e chutou firme para defesa do goleiro. Na sobra, Marlone finalizou pra fora. Em novo chute, desta vez de fora da área, o volante novamente levou perigo ao gol paranaense.

Apesar de criar várias chances, o Corinthians não conseguiu balançar as redes e a partida terminou empatada em 0 a 0. Na próxima rodada, última do Brasileirão 2016, o Corinthians visita o Cruzeiro no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte-MG, no próximo domingo (04), às 17h.








26/11/2016 23h06

Na briga pela Libertadores, Corinthians empata contra atl. cu. sem gols Timão precisa vencer e torcer por tropeço de um concorrente


Por GloboEsporte.com

Ficou para a última rodada. Corinthians e Atlético-PR não quiseram saber de bola na rede na noite deste sábado, na Arena Corinthians, e empataram em 0 a 0 pela penúltimo jogo do Campeonato Brasileiro. Rivais diretos por uma vaga da Taça Libertadores da América do ano que vem, as equipes deixaram seu destino para ser definido na última partida de 2016.

Mesmo tendo as melhores chances da partida, o Timão passou em branco e agora não depende mais de si para ir à Libertadores. O Corinthians terá que ganhar do Cruzeiro, na última rodada, fora de casa, e também depende de um tropeço de atl cu ou bot rj.

Com o resultado, o Corinthians com 55 pontos está na sétima posição. Na próxima rodada, o Timão se despede da temporada diante do Cruzeiro, às 17h (horário de Brasília) de domingo, no Mineirão.


Corinthians e Atlético-PR passaram em branco em Itaquera (Foto: Marcos Ribolli)




Timão tem maior volume, mas não marca


O Corinthians iniciou o jogo pressionando o Atlético-PR, que se apoiou na segunda melhor defesa do Brasileirão para conter o ímpeto dos mandantes. Inofensivo, o atl pouco produziu e viu o Timão finalizar 10 vezes a gol, três delas com muito perigo, com as investidas de Balbuena, Cristian e principalmente Rodriguinho, que parou na trave após chute venenoso aos 37 minutos. No rebote, Romero ainda cabeceou por cima do travessão. Fechado na defesa, o Rubro-Negro assistiu aos alvinegros trabalharem a bola e dominarem o primeiro tempo na Arena Corinthians.

Em Itaquera, cenário não se altera no segundo tempo

Sem mudanças, os times voltaram para a etapa final com o mesmo cenário do primeiro tempo: pressão dos corintianos e atleticanos na defesa. Logo no início da partida, o goleiro Weverton foi obrigado a salvar o Furacão, após chute de primeira de Cristian. Aos 15, os treinadores resolveram sacudir as equipes, mudando Romero por Lucca, pelo lado alvinegro, e Lucas Fernandes por Nikão, do lado rubro-negro. O Atlético-PR ficou mais com a bola, enquanto o Timão buscava o gol de forma desesperada. No fim do jogo, Walter mostrou serviço e espalmou o chute perigoso de João Pedro, mas que em nada mudou o placar.







Oswaldo demonstra otimismo pela vaga na Libertadores ao Corinthians: “Vamos até o final tentando”

Após empate sem gols com Atl. Cu., Corinthians precisa vencer o Cruzeiro fora de casa e torcer para que o time de curitiba ou o Botafogo não vençam na última rodada do Brasileirão



23h30 26/11/2016 - Agência Corinthians
Neste sábado (26), o Corinthians ficou no empate com o Atl Cu em 0 a 0 na Arena Corinthians, pela penúltima rodada do Campeonato Brasileiro. Após o apito final, o treinador Oswaldo de Oliveira concedeu entrevista coletiva na sala de imprensa do estádio alvinegro e, mesmo com o Timão dependendo de outros resultados, demonstrou otimismo quanto à classificação para a Libertadores 2017.

"Vamos até o final tentando. Essa semana será importantíssima. Pelo menos teremos dois dias para trabalhar bem, ao contrário dos dois últimos jogos, em que só tivemos um. Nosso objetivo é claro, vencer a partida, vamos trabalhar com esse objetivo. Conversei com os jogadores agora, e a nossa ideia é: todo mundo continuar otimista, buscando, nossa chance vai até o último apito no próximo domingo. Se vencermos e um dos dois que estão na frente empatar, vamos conseguir", falou Oswaldo, que ainda comentou a atuação do Corinthians.

"O time jogou uma boa partida. Criamos muitas oportunidades, sofremos as circunstâncias do campeonato. A dois jogos do fim, o Atlético-PR jogou por uma situação que criou durante o torneio. Eles são organizados, se defenderam bem, não se arriscou, deu apenas um chute. O Corinthians criou, mandou uma bola na trave, teve chances flagrantes de gol, mas infelizmente a bola não entrou. O time mereceu vencer a partida", disse.

Pela última rodada do Brasileirão 2016, o Corinthians visita o Cruzeiro no Mineirão, em Belo Horizonte-MG, no próximo domingo (04), às 17h. Para se classificar à Libertadores 2017, o Timão precisa vencer o jogo e torcer para que AtlCu ou Botafogo não vençam.







Corinthians empata com Atl. Cu em casa

Na despedida de seu estádio nesta temporada, Timão ficou no 0 a 0 e agora precisa de combinação de resultados para se classificar

Corinthians 0x0 Atlético-PR
(Foto: Mauro Horita/AGIF/Lancepress!)













Bruno Cassucci
26/11/2016
22:58
O Corinthians apenas empatou sem gols contra o atl cu em casa e precisará vencer fora de casa e torcer por outro resultado de rivais para ir à Libertadores da América do ano que vem.

O resultado faz com que o Corinthians tenha que vencer o Cruzeiro na última rodada, domingo, no Mineirão, e ainda "seque" Atl Cu ou Botafogo.
Do início ao fim o controle foi corinthiano, mas em muitos momentos faltou objetividade aos donos da casa, que tinham a bola quase o tempo todo, porém, finalizavam pouco a gol. Novamente no 4-2-3-1, com Romero como referência no ataque, o Timão trocava bons passes, tinha ultrapassagens dos laterais, contudo não conseguia infiltrar na área adversária nem finalizava de longe. Em uma das poucas vezes em que isso aconteceu, Rodriguinho disparou uma bomba da meia-lua e acertou a trave direita.
Com Marquinhos Gabriel apagadíssimo mais uma vez e Marlone abaixo do que pode, o camisa 26, escolhido como capitão neste sábado, era o responsável pelas principais jogadas do Corinthians.

Já do outro lado, os comandados de Paulo Autuori se fechavam no campo de defesa e produziam pouco no contra-ataque. Nas poucas vezes em que a bola chegou no gol alvinegro, Walter deu conta do recado.

A falta de gol fez com que a ansiedade fosse tomando conta dos quase 25 mil presentes na Arena Corinthians e também da equipe, que pecava na hora de concluir. Cristian teve ótima oportunidade, da entrada da área, mas mandou para fora. Minutos depois, Oswaldo de Oliveira decidiu arriscar, sacar o volante e colocar o meia Giovanni Augusto - Guilherme, voltando de lesão na coxa direita ficou na reserva, mas não entrou.

Depois, Gustavo também foi a campo e o Corinthians partiu para o desespero, cruzando bolas na área do Atlético, que se defendeu bem e segurou o empate.
 A vaga na Libertadores para o Timão terá que ser buscada fora de casa.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 0 X 0 atl cu
Brasileiro 2016- 37ª rodada
Local: Arena Corinthians
Data-hora: 26 de novembro de 2016, às 21h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxiliares: Elio Nepomuceno de Andrade Junior(RS) e Lucio Beiersdorf Flor (RS)
Público/renda: 24.701 pagantes/R$ 1.291.293,00
Cartões amarelos: Camacho, Rodriguinho, Vilson (COR); Lucho González, Thiago Heleno (ATL)

CORINTHIANS: Walter; Fagner, Vilson, Balbuena e Uendel; Cristian (Giovanni Augusto 26'2ºT); Camacho, Marlone, Rodriguinho, Marquinhos Gabriel (Gustavo 35'2ºT); Romero (Lucca 2'2ºT). Técnico: Oswaldo de Oliveira

atl cu: Weverton; Léo, Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Otávio, Hernani (Matheus Rossetto 35'2ºT), Lucho González (João Pedro 24'2ºT), Pablo e Lucas Fernandes (Nikão 15'2ºT); André Lima. Técnico: Paulo Autuori







ATUAÇÕES: Rodriguinho é o melhor em jogo com 'vitória' das defesas

Meia acertou a trave em mais um jogo de pouca inspiração do ataque do Corinthians, que ficou no 0 a 0 com o Atlético-PR dentro de casa e se complicou na luta pelo G6
As defesas não vacilaram em um jogo de pouca inspiração dos ataques. Resultado: 0 a 0 na Arena Corinthians. Rodriguinho, que acertou a trave, levou a melhor nota Confira as notas da partida pela 37ª rodada:

CORINTHIANS

6,5
Walter
Praticamente não foi exigido durante o jogo, mas aos 41 do segundo tempo fez grande defesa e evitou uma derrota.

6,0
Fagner
Fez boa partida, com boa participação nas jogadas de ataque e segurança defensiva atrás. Não comprometeu.

6,0
Vilson
Fez bom corte de cabeça de dentro da área. Bem postado, não teve dificuldades para conter o rival. Partida segura.

6,0
Balbuena
Assim como o companheiro de defesa, não teve grandes problemas com o time adversário. Bem postado.

6,0
Uendel
Boa partida pela lateral, com chegadas à frente e bom passe. Atrás, não teve problemas para conter os avanços do rival.

6,5
Cristian
Se apresentou no ataque e conseguiu chutar a gol. Em um deles, obrigou Weverton a fazer defesa muito complicada.

6,5
Camacho
Não teve problemas para segurar o Atlético-PR no meio-campo. Bem postado. Errou passe simples, mas foi bem.

7,0
Rodriguinho
Boa presença no meio-campo, fez a bola girar e serviu bem os companheiros. Boa movimentação e chute na trave.

6,5
Marlone
Deu volume ao meio campo por seu lado. Importante para o time com boa movimentação e presença ofensiva.

5,0
Marquinhos Gabriel
Destoou dos companheiros de meio-campo. Errando domínios e passes simples. Melhorou no segundo tempo.

4,5
Romero
Pouco conseguiu fazer no tempo que jogou. Partida muito abaixo do atacante. Discreto, não teve chances claras de gol.

6,0
Lucca
Tentou dar ainda mais volume ao meio-campo corintiano com velocidade e movimentação. Esforçado, ajudou.

6,0
Giovanni Augusto
Ajudou o time na saída de bola no meio-campo. No fim, cruzou boa bola para Balbuena tentar a cabeçada.

4,5
Gustavo
Não conseguiu ajudar o time. Quando ia receber a bola na área, acabou fazendo falta de ataque. Entrou mal no jogo.

6,0
Téc: Oswaldo de Oliveira
Acertou nas duas primeiras mexidas, apostando na velocidade e ofensividade. Gustavo pouco ajudou o time.










Técnico Osvaldo Oliveira acha tudo bom:
- O time jogou uma boa partida, criamos muitas oportunidades, sofremos as circunstâncias do campeonato. A dois jogos do fim, o Atlético-PR jogou por uma situação que criou durante o torneio. Eles são organizados, se defenderam bem, não se arriscou, deu apenas um chute. O Corinthians criou, mandou uma bola na trave, teve chances flagrantes de gol, mas infelizmente a bola não entrou. O time mereceu vencer a partida [...] Conversei com os jogadores agora, e a nossa ideia é: todo mundo continuar otimista, buscando, nossa chance vai até o último apito no próximo domingo. Se vencermos e um dos dois que estão na frente empatar, vamos conseguir.








Em alta na Arena Corinthians, Walter é chave do Corinthians para hoje
Goleiro está intransponível em seis de dez jogos em casa pelo Brasileiro. Neste sábado, Corinthians busca entrar no grupo que vai a Libertdores da América em confronto direto


Por Diego Ribeiro
Walter salta para agarrar a bola no treino do Corinthians (Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)


O Corinthians vai enfrentar o Atl Cu neste sábado, às 21h (horário de Brasília), na arena de Itaquera, com uma garantia de segurança no gol. Em seu momento mais regular nos quase quatro anos de clube, Walter vai completar 18 jogos neste Campeonato Brasileiro – dez deles na casa corintiana. Em seis deles, não levou um gol sequer.

Números que são credenciais para o goleiro de 29 anos, que sonha com a vaga na Taça Libertadores do ano que vem para "livrar a cara" do grupo depois de uma temporada tão conturbada.

Com 54 pontos, o Timão é o sétimo colocado e vencendo o confronto direto entra no grupo que vai a libertadores da América

– Pelas dificuldades, a vaga dá uma livrada na nossa cara. Foi um ano difícil, que poderia ser muito melhor, poderíamos estar em terceiro ou quarto na tabela. Mas muitos problemas internos e extracampo acabaram atrapalhando. Não tivemos o rendimento que esperávamos ter em campo também. Então isso (vaga) vai dar uma livrada na nossa cara – afirmou Walter.

Não sofrer gols é o primeiro passo para o Corinthians tentar o salto na tabela a duas rodadas do fim do Brasileirão. Foi assim na vitória do Corinthians por 1 a 0 sobre o Inter, segunda-feira, que manteve o Timão na briga. As marcas de Walter na Arena Corinthians servem de alento.

São números excelentes, mas tenho de mostrar o potencial a cada dia. Não posso tomar gols, né? É decisão. Não tomando gol, sabemos que vamos conseguir fazer

Walter

– São números excelentes. Para um goleiro que saiu de onde saí, fico feliz, mas tenho de mostrar o potencial a cada dia. Não posso tomar gols, né? É decisão. Não tomando gol, sabemos que vamos conseguir fazer – avisou o corintiano.

Sempre tranquilo e com fala mansa, Walter parece não se assustar com nada. Muito menos com a concorrência do ídolo Cássio, de quem é amigo próximo. Ao GloboEsporte.com, ele reforçou a amizade com o colega, disse não ter propostas para sair e ressaltou o que lhe falta para sonhar com a seleção brasileira:

– Tenho de ter uma sequência maior no clube. Ainda é cedo por esse aspecto. Um goleiro de seleção brasileira tem de ter uma sequência bem maior para ser convocado.
Veja o que Walter pensa sobre:


CÁSSIO
– É um cara do qual gostamos bastante aqui dentro, ele nos ajuda de todas as formas no dia a dia. Tem de manter a sequência dos outros anos, não tem nada de mais, não.


SEQUÊNCIA NO TIME
– Foi um ano especial para mim. Começamos o Brasileiro, o Tite disse que eu seria titular com ele. Consegui dar o respaldo a ele, tentei ser o mais regular possível, que é isso que o goleiro de uma grande equipe precisa ter. Tive problemas de lesão, mas estou aqui de novo e tentando acabar o ano da melhor maneira.


SALÁRIOS ATRASADOS
– Interferia quando eu não recebia no XV de Jaú, na União Barbarense, quando ficava três, quatro meses sem receber. Aqui estamos há 15 dias sem receber, o presidente esclareceu os motivos. Claro que aguardamos o dinheiro, temos contas a pagar, somos seres humanos normais. Esperamos que isso seja resolvido o quanto antes.


BANCO DE RESERVAS
– Nas férias vou me cuidar um pouco mais para chegar bem. Já tem o Paulista logo de cara, então quanto mais se cuidar, mais ficamos um passo à frente. Se acontecer o banco, tem de encarar da melhor forma possível, com naturalidade. Eu no banco gosto de gritar muito, falar bastante, participar, não é nenhum demérito.


PROPOSTAS
– Não tenho nada. Se tiver alguma coisa, meu empresário que vai saber. Estou focado só em fazer o meu trabalho. Minha cabeça está aqui. A Libertadores é um sonho de todos. É um título grande aqui na América do Sul. Meu foco é totalmente aqui... Tenho mais três anos de contrato, não posso reclamar de nada. É curtir as férias e voltar com tudo.


Corinthians provável: Walter, Fagner, Vilson, Balbuena e Uendel; Cristian; Marquinhos Gabriel, Camacho, Rodriguinho e Marlone; Romero
Desfalques: Rildo, Yago, Danilo e Bruno Paulo
Pendurados: Giovanni Augusto, Guilherme e Uendel





26/11/2016 09h35
Corinthians confiante no titular Wálter tenta vender goleiro Cássio
Na reserva de Walter, goleiro avalia possibilidade de trocar de equipe na próxima temporada. Clubes interessados se assustam com salários do jogador corinthiano


Por Carlos Augusto Ferrari

Cássio na chegada à Arena para partida do Brasileirão (Foto: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians)

Jogador integrante de importante parte da história do Corinthians, com os times campeões da América, mundial, Brasileiros, Cássio pode ser negociado na próxima janela de transferências. Superado por Walter na concorrência por uma vaga na equipe, o goleiro prefere deixar o Timão após o Campeonato do Brasileiro a iniciar 2017 no banco de reservas. Mas a negociação não é simples.

A dificuldade está em encontrar clubes que concordem em pagar o atual salário do jogador. Cássio tem vencimentos considerados elevados para um goleiro – acima de R$ 400 mil mensais. Todas as sondagens que ele recebeu nos últimos meses tinham números abaixo desse valor.

Vinculado ao Corinthians até 31 de dezembro de 2019, Cássio não gostaria de diminuir seu patamar salarial. Uma redução, porém, não está descartada, principalmente pelo jogador ter o desejo de jogar regularmente, algo que dificilmente acontecerá no Corinthians se Walter continuar em boa fase.

Outro ponto que colabora para a vontade de Cássio de sair é a cobrança da torcida. Idolatrado desde a conquista da Libertadores em 2012, o jogador passou a ser questionado por algumas falhas em jogos importantes e ficou incomodado. Neste momento, Walter é o preferido dos torcedores e até mesmo de parte da comissão técnica liderada por Oswaldo de Oliveira.

O Corinthians também espera fazer dinheiro caso negocie Cássio. No início do ano, o Timão ficou perto de negociá-lo com o Besiktas, da Turquia, mas a transação recuou, e o jogador permaneceu. Agora, a direção do Timão aguarda novas ofertas para lucrar com a venda dos direitos econômicos.

Cássio durante treino do Corinthians no CT Joaquim Grava (Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians)

A condição de Cássio no Corinthians começou a mudar no início do Campeonato Brasileiro. O jogador foi liberado por Tite para ir ao enterro da avó, no Rio Grande do Sul, e não enfrentou o Grêmio, pela primeira rodada. Assim que ele voltou a estar à disposição, o então treinador alvinegro optou por Walter.

Cássio também foi barrado na ocasião por estar acima do peso. Mesmo assim, ele recuperou a posição pouco depois em virtude de uma lesão de Walter e se firmou na vaga sob o comando de Cristóvão Borges. Mas, um problema no ombro esquerdo, impediu que ele tivesse uma sequência. Na chegada, Oswaldo de Oliveira voltou a colocá-lo no banco.

Contratado do PSV, da Holanda, em 2012, Cássio é um dos goleiros mais vitoriosos da história do Corinthians. Ele foi decisivo nas conquistas da Libertadores e do Mundial de Clubes daquele ano com grandes atuações. Além disso, ainda conquistou o Paulistão de 2013, a Recopa de 2013 e o Campeonato Brasileiro de 2015. São 252 partidas com a camisa alvinegra.








No ano em que mais jogou, 'fominha' Fagner ainda busca meta no Timão

Jogador de Seleção Brasileira desde a ida de Tite à CBF, lateral não será mais passado em número de jogos pelo Corinthians na temporada.
O Corinthians ainda busca vaga a Libertadores da América 2017 nas últimas duas rodadas. Para o lateral Fagner, um dos líderes do elenco, a vaga na Libertadores de 2017 seria um prêmio (para o time e para ele) em um ano marcado negativamente. Fagner teve uma temporada especial. Jogador de Seleção Brasileira após a chegada de Tite à CBF, ele melhorou todas as suas marcas pessoais no clube: número de jogos, gols e até mesmo as assistências.

- Fico muito feliz com essa marca. Pelo ano, pela sequência do trabalho, porque nas outras temporadas eu sempre estive entre os que mais jogaram, quinto, sexto, sétimo. Então, fico contente por ter essa regularidade em quantidade de jogos, o que é muito importante na carreira do atleta. Jogar muito significa que você se lesiona pouco e está sempre disposto a ajudar - reflete o camisa 23 do Timão
Fagner soma 56 partidas no ano e é o recordista de jogos do clube em 2016 - Uendel e Romero têm um a menos. Em 2014 e 2015, o lateral-direito esteve entre os que mais participaram, mas fora da primeira posição. E justamente no ano em que atuou mais vezes, Fagner conseguiu ser mais efetivo e útil ao Timão: foram três gols marcados e nove assistências, fundamento em que é líder do time.

Está tudo muito bom, tudo muito bem, mas... falta alguma coisa. E essa "coisa" estará em jogo hoje à noite, na Arena Corinthians: a busca por uma vaga na Libertadores do ano que vem.

- Essa vaga pode pontuar as coisas boas que fizemos. O time passou por uma reformulação e muitos jogadores saíram, logo depois a comissão técnica também se trocou e ainda estamos brigando por vaga na Libertadores. Isso pode premiar o esforço, a persistência, o nosso querer que as coisas dessem certo apesar das dificuldades - diz.

A razão do sucesso nos números é explicada por Fagner pela maturidade adquirida no Timão. Aos 27 anos e na terceira temporada consecutiva no Parque São Jorge, ele é um dos únicos remanescentes do time campeão brasileiro de 2015. E sabe o peso do jogo de hoje para o ano terminar sem traumas. Só falta essa vaga...

- É uma decisão, por se tratar de um concorrente direto. Não podemos perder de jeito algum - brada.

BATE-BOLA com FAGNER
LATERAL DO TIMÃO, AO L!

A sequência na Seleção Brasileira tornou sua temporada mais especial?
Sem dúvida foi uma temporada especial individualmente falando. O sonho de todo atleta é defender sua seleção e eu tive a oportunidade de estar junto nas últimas três, o que me deixou muito feliz e motivado, porque se manter é difícil. Temos que procurar estar sempre evoluindo e isso que estou procurando, para que 2017 seja ainda melhor que 2016.

Você tem notado essa evolução do ano passado para este?
Acho que é a maturidade que nos mostra muitas coisas de bom e ruim. Você pode se corrigir em muitas coisas que antes talvez você não visse. Algo que antes eu não enxergava hoje tenho a visão. Essa maturidade você adquire com o tempo. Esse tempo veio a maturidade e as coisas aconteceram de uma forma bem positiva e natural.

Em que sentido você acha que evoluiu?
Hoje em dia um jogador não pode mais ser como aquele de antigamente, que entrava e resolvia na técnica. Você pode se aprimorar do lado de fora também. Eu e o Uendel, que concentramos juntos, trocamos bastante ideia sobre essa parte científica do jogo, comentamos muito, conversamos, e isso é bom para o crescimento dos dois. Você conseguir trazer coisas de fora, do Cifut, é interessante.


Muito se fala em queda de rendimento sua. Você concorda?
A equipe oscilou bastante nos últimos meses, nos últimos jogos. Tivemos picos, jogos muito bons e jogos muito ruins. Então é natural que num esporte coletivo você oscile junto com a equipe, mas procuramos sempre evoluir, corrigir erros. O importante é reconhecer que tem onde melhorar e buscar melhorar. Se acha que está tudo bem você entra numa zona de conforto e para no tempo.

Recentemente você divulgou uma nota oficial condenando o comportamento de parte da mídia a respeito das suas declarações sobre atrasos de salário. O que te incomodou?
Eu prefiro não estender o assunto, já dei por encerrado. Se eu voltar a comentar o assunto vamos estar reabrindo, prolongando. Prefiro colocar um ponto final e deixar isso do jeito que está.

Qual o peso da partida de hoje neste fim de ano?
Desde quando o Oswaldo chegou tínhamos ciência de que todos os jogos seriam finais, tinham importância para aquilo que a gente queria, que era ficar entre os seis. Amanhã é uma decisão por se tratar de um concorrente direto, então temos que ter bastante inteligência para enfrentar esse jogo, porque o Atlético-PR tem um jogo a mais em casa para fazer ainda e nós não.

Acha que o jogo será definitivo para as ambições do Corinthians?
Não, porque o futebol é muito dinâmico Temos que ter inteligência de encarar o jogo, saber que podemos fazer gol no primeiro ou no último minuto. Na pior das hipóteses o não perder é válido, porque ainda tem mais um jogo.

Qual será o peso da torcida nesta decisão?
O mais importante é sabermos que o torcedor quer que seu time ganhe, jogue bem, e nós esperamos que ele compareça, nos empurre e possa ver tudo isso, porque daremos o nosso máximo. Não vou pensar pelo lado negativo, porque estamos confiantes em fazer um grande jogo. E se fizermos a torcida estará do nosso lado.