28 de ago de 2016

CORINTHIANS 28/08/2016

CORINTHIANS 4º COLOCADO DO BRASILEIRO 2016 COM 37 PONTOS A 6 DA LIDERANÇA







28/08/2016 12h35

Timão fecha semana de negócios com saldo positivo; veja valores
Saídas de André, Luciano e Bruno Henrique rendem cerca de R$ 8 milhões e uma dívida quitada pelo clube. Jean e Gustavo, juntos, custam menos da metade


Por Diego RibeiroSão Paulo

As negociações de André, Luciano e Bruno Henrique são suficientes para o Corinthians bancar as duas últimas contratações realizadas para a atual temporada. Na balança, o clube contratou o volante Jean, ex-Paraná, e o atacante Gustavo, ex-Criciúma, e mesmo assim teve saldo positivo – incluindo o fim de uma dívida relativa à contratação do volante Elias.

A ideia do presidente Roberto de Andrade é equacionar as contas do clube até o fim do seu mandato, no início de 2018. Para isso, tem evitado o que chama de “loucuras”: contratações a valores muito altos. Por outro lado, não oferece obstáculos para a saída de jogadores, desde que eles manifestem esse desejo.

– Não vou dar um passo a mais daquilo que o Corinthians pode fazer. Temos de ter responsabilidade. O torcedor tem de entender que estamos colocando o clube nos trilhos, deixando um alicerce mais forte para o futuro – afirmou Roberto de Andrade, em entrevista coletiva na terça-feira passada.

O Corinthians vai receber R$ 3,6 milhões e os outroa R$ 7,2 milhões restantes pelo centroavante André representam valor equivalente às duas parcelas que o Corinthians tinha a pagar ao clube português pela contratação de Elias, em 2014. A primeira venceria em outubro.

Com Luciano, o Corinthians vai faturar 400 mil euros (R$ 1,4 milhão) pelo empréstimo de um ano. A negociação de Bruno Henrique com o Palermo, da Itália, deve render mais de R$ 12 milhões no total – dono de 25% dos direitos econômicos, o clube ficaria com R$ 3 milhões.

No total, o Corinthians receberia por volta de R$ 8 milhões com as negociações – mais o fim da dívida relativa a Elias. Na direção contrária, o clube vai gastar cerca de R$ 4 milhões com as chegadas de Gustavo e Jean.

No caso do atacante, vindo do Criciúma, o Corinthians vai pagar R$ 3 milhões pela aquisição de 45% dos direitos econômicos. Com Jean, o clube acertou por R$ 400 mil com o Paraná e deve pagar mais R$ 500 mil ao empresário dono de 50% dos direitos do jogador. No total, o Timão fica com 80% do valor de uma futura negociação.

Quanto aos R$ 4 milhões de lucro na semana, o destino será o mesmo das últimas negociações: acerto de folha salarial e pagamento de dívidas fiscais. O presidente do Corinthians diz não abrir mão de honrar os compromissos do clube.

– A responsabilidade do Corinthians até o fim do mandato é minha, vou seguir o meu propósito de colocar as contas em ordem. Nunca mais quero ouvir, nem ler, que o Corinthians deve um real de salário atrasado ou qualquer outra coisa. Temos de andar em cima das contas. Se você ganha 10, não tem como gastar 15 – destacou Roberto de Andrade.





28/08/2016 09h22

Cristóvão vê paciência menor e não teme pressão no Corinthians: "Confio no que faço"
Treinador diz que tolerância é outra na comparação com Tite e garante que acredita na capacidade de reação da equipe nas próximas partidas da temporada


Por Carlos Augusto Ferrari
Cristóvão Borges dirigiu o Corinthians por apenas 13 jogos, mas já é contestado por parte da torcida. Apesar de os resultados e do desempenho do Timão ainda não serem o esperado, o treinador acredita que está no caminho certo e não se abala com a cobrança vinda das arquibancadas.


– Eu confio no que faço, acredito muito. Tenho os jogadores com um comprometimento muito grande. É por isso que acredito e não saio do meu foco. Vejo no clube e no elenco possibilidades de isso (reação) acontecer. E vai acontecer – afirmou.

Ontem, Cristóvão foi poupado pelos torcedores presentes no estádio Moisés Lucarelli. Nos minutos finais do jogo, os alvinegros cobraram mais empenho dos jogadores e fizeram críticas ao trabalho da diretoria, sobretudo pela dificuldade em contratar novos jogadores após muitas saídas desde o início do ano.

Cristóvão Borges, no jogo contra a Ponte Preta (Foto: Marcos Ribolli)

O Corinthians soma 37 pontos e briga pelos primeiros lugares. Na quarta-feira, o Timão pega o Fluminense, no Rio de Janeiro, pelas oitavas de final da Copa do Brasil.

Cristóvão entende que a pressão por resultados imediatos aumenta por ter a missão de substituir Tite, técnico mais vitorioso da história do clube e que deixou o cargo para assumir a seleção brasileira.

– Isso faz parte do meu trabalho. A circunstância de como cheguei aqui. O Tite é um treinador consagrado, ganhou títulos significativos. A tolerância é outra. Com a minha chegada a cobrança é para que a coisa seja acelerada e aconteça logo. Ainda fazem muitas comparações com 2015. Isso vai causando essa exigência, essa cobrança – disse.







Cristóvão vê Timão bem fisicamente, mas busca melhorar parte técnica

Corinthians começa nesta quarta-feira a disputa da Copa do Brasil: diante do Fluminense, pelas oitavas de final. Treinador acredita em melhora do Timão para o jogo


Cristóvão confia em melhora do Timão para duelo com o Flu (Foto: Daniel Augusto Jr)
Com o Corinthians prestes a começar a disputar duas competições ao mesmo tempo, já que enfrenta o Fluminense na quarta-feira pelas oitavas de final da Copa do Brasil, o técnico Cristóvão Borges acredita que o time está bem fisicamente. Por outro lado, o treinador admite que precisa melhorar a parte técnica.

- Começam agora duas competições e temos que nos organizar bem. Estamos bem na parte física, agora estamos buscando melhorar a parte técnica. Nas partidas que ganhamos a equipe se apresentou bem, mas contra a Ponte Preta foi muito diferente, igual a isso não vai acontecer. Com toda certeza a gente tende a melhorar nos próximos jogos. O que preocupa é a performance, porque o Campeonato Brasileiro é duro dentro e fora de casa, temos que cuidar da nossa qualidade de jogo, jogar bem e evoluir. A sequência vai ser dura até o fim - analisou.

O treinador acredita que a pressão da Fiel continuará. Ontem, o presidente Roberto de Andrade, o diretor adjunto de futebol Eduardo Ferreira e o volante Elias sofreram críticas da torcida. Porém, Cristóvão quer o pensamento da equipe apenas nas partidas.

- O problema nosso temos que resolver dentro de campo. Logicamente que quando perdemos o jogo, ainda como contra a Ponte, com uma atuação que não foi boa, a sensação é ruim, não ficamos satisfeitos com o que fizemos, e é lógico que a torcida também não - afirmou.

Corinthians  começa a decidir uma vaga nas quartas de final da Copa do Brasil contra o fluminenstjd nesta quarta-feira, às 21h45, no Estádio Edson Passos, no Rio de Janeiro. A volta será apenas no dia 21 de setembro, na Arena Corinthians







Em momento turbulento, Cristóvão blindará reforços no Corinthians

Treinador já conversou sobre a pressão com atacante Gustavo e volante Jean, recém-contratados pelo clube. Eles não podem atuar pela Copa do Brasil

Recém-contratados, o volante Jean e o atacante Gustavo serão blindados neste momento turbulento do Corinthians, que venceu apenas um jogo nos últimos cinco do Campeonato Brasileiro. Ao ser questionado se os dois entrariam sob pressão, o técnico Cristóvão Borges disse que já conversou com os jogadores.

- Eu já conversei um pouco com eles sobre isso (de pressão), e é claro que nós vamos procurar protegê-los e não colocá-los como salvadores da pátria. Eles vão ajudar, precisamos de força coletiva - disse.
Jean foi apresentado na última sexta-feira. Aos 21 anos, ele foi contratado do Paraná para suprir a venda de Bruno Henrique, que defenderá o Palermo (ITA).

Gustavo, por sua vez, ainda teve de resolver algumas pendências com o Criciúma. Ele viajou para Santa Catarina na sexta-feira e deve ser apresentado na segunda ou quarta. O atacante tem 22 anos e chega após as vendasde André, para o Sporting (POR), e Luciano, para o Leganés (ESP).

Os reforços não ficarão à disposição para o jogo desta quarta-feira, às 21h45, contra o Fluminense, pela Copa do Brasil. Eles já atuaram na competição por seus antigos clubes.




Cristóvão avisa que reforços do Corinthians não são “salvadores da pátria”
28/08/2016 08:56:34

O técnico Cristóvão Borges tem mais possibilidades de mudar a equipe com os reforços que recebeu recentemente – o volante Jean, vindo do Paraná, e o atacante Gustavo, que chegou do Criciúma.

O próprio treinador, no entanto, tem evitado criar expectativas exageradas em relação aos novos contratados do clube. “Já conversei um pouco sobre isso com eles. É claro que vamos procurar protegê-los e não colocá-los como salvadores da pátria”, avisou Cristóvão.

Jean chegou para suprir a perda de Bruno Henrique, negociado com o Palermo, da Itália. Já Gustavo era esperado com ainda mais ansiedade, visto que o Corinthians sofria com a falta de um atacante de referência desde a venda milionária de Vagner Love para o Monaco, da França. A carência aumentou com a venda do contestado André para o Sporting, de Portugal, e do empréstimo de Luciano para o Leganés, da Espanha, que não marcou gols neste ano.

“Eles vão ajudar. Precisamos de força coletiva. Será uma ajuda muito grande”, considerou o mesmo Cristóvão que pretende proteger os candidatos a salvadores da pátria.

O anseio por ajuda não é sem motivo. O Corinthians tem sido muito cobrado por seus torcedores em função da instabilidade no Campeonato Brasileiro. “Essa inquietação também é minha, porque quero chegar a um ponto que nos satisfaça”, almejou Cristóvão Borges.

Em busca da satisfação, o técnico tem mexido na equipe. Ontem, o volante Cristian e o meia-atacante Marlone viraram titulares. O time passou recentemente a atuar também com um falso centroavante, o armador Guilherme. Novas alterações poderão ocorrer com os acréscimos de Jean e Gustavo ao plantel.

“Os jogadores já estão acostumados a todas as mudanças. Eles tinham jogado assim anteriormente. Estou tentando casar as coisas para melhorar a qualidade do nosso jogo, a performance, e a assimilação deles é muito boa. Como já atuaram em todos os sistemas, não tem segredo”, confiou Cristóvão.






Cristóvão vê atuação completamente atípica e garante melhora na quarta
(foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)

O técnico Cristóvão Borges aceitou todas as críticas feitas ao Corinthians neste sábado. Com um jogador a menos desde o primeiro tempo – o zagueiro paraguaio Balbuena foi expulso –, a sua equipe teve um rendimento pífio

“Não dá para comparar isso com nada. É diferente de tudo o que já fiz no Corinthians”, lamentou Cristóvão, insistindo várias vezes que a atuação diante da Ponte não representava a realidade corintiana. “É muito distante de qualquer coisa que já apresentamos. Não é o normal. E não é por causa de hoje que vamos nos esquecer do que já apresentamos, das nossas virtudes.”

A torcida do Corinthians ao final do jogo, protestou contra o meio-campista Elias, o presidente Roberto de Andrade e o diretor de futebol Eduardo Ferreira. Cristóvão acabou poupado da revolta.

Para acalmar os ânimos, o técnico projetou uma evolução já no próximo compromisso do Corinthians. Será contra o Fluminense, na quarta-feira, em Edson Passos, pela Copa do Brasil. “Com certeza, não vai ser nada disso lá”, garantiu, colocando a atuação do triunfo por 2 a 1 sobre o Vitória, na rodada passada, como exemplo. “Fizemos coisas interessantes ali. O time é muito mais próximo daquilo”, enfatizou.

Ao contrário de muitos dos seus comandados, Cristóvão evitou também fazer drama em relação à expulsão de Balbuena. Disse que, do banco de reservas, não tinha visão para julgar a decisão do árbitro Luiz Flávio de Oliveira de mostrar o cartão vermelho ao defensor paraguaio, apesar de reconhecer os problemas provocados pelo lance.

“Essa coisa de jogar com um a menos contra uma equipe como a Ponte Preta pesou. O nosso jogo não fluiu a partir dali. Já estava difícil antes disso porque a Ponte tem um time aplicado, que defende bem, com um contra-ataque forte, e ficou pior ainda”, lamentou Cristóvão. “Mas acredito e estou muito confiante de que será diferente na quarta-feira”, repetiu









Jogadores do Corinthians culpam expulsão por apatia

O selecionável Fagner foi um dos que lamentaram o cartão vermelho para Balbuena (foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)

Os jogadores do Corinthians se reuniram no gramado, liderados pelos volantes Cristian e Elias, e caminharam juntos em direção aos vestiários do Moisés Lucarelli. Naquele momento, a torcida visitante protestava enfurecidamente contra a equipe.

“Não quero falar sobre isso. Só sobre o jogo”, pediu o lateral direito Fagner, quando questionado sobre a ira do público visitante. Assim como os seus companheiros, ele, convocado pelo técnico Tite para defender a Seleção Brasileira, culpou o desempenho ruim à expulsão do zagueiro Balbuena, aos 18 minutos do primeiro tempo. “Ter que jogar por uma bola dificulta todo o planejamento da semana. A partir da expulsão, não conseguimos jogar. A Ponte tem uma equipe qualificada e fez o resultado.”

Elias, um dos mais cobrados pelos torcedores do Corinthians, ainda mais irritados com o presidente Roberto Andrade e com o diretor de futebol Eduardo Ferreira, acompanhou o discurso de Fagner. “A gente não quer perder, mas é preciso analisar a partida. Jogar aqui é difícil, ainda mais com um a menos. Temos que levantar a cabeça”, afirmou.

O lateral esquerdo Uendel preferiu já começar a projetar a partida contra o Fluminense, na quarta-feira, em Edson Passos, a primeira do Corinthians pela Copa do Brasil. “Será uma final para nós. Confiamos muito que podemos fazer um bom campeonato”, disse. “Hoje, foi um jogo bem atípico. É difícil jogar assim, com um a menos desde o início. Faz muita diferença. Apostamos nas bolas longas, e não deu certo. Devemos lamentar e caprichar, porque temos um jogo importante pela frente”, repetiu.
 “É pouco”, reconheceu Fagner, recordando que a primeira finalização corintiana diante da Ponte ocorreu já nos minutos finais de partida. “Como falei, a nossa equipe não conseguiu criar. Tínhamos uma estratégia definida. Quando você perde um atleta, tem que remontar. Então, é hora de termos calma, paciência.”