23 de mai de 2014

Corinthians relembra vitória em quartas de final da Libertadores da América 12 e caminho pro título Defesa de Cássio e gol de Paulinho em classificação histórica completam 2 anos




Corinthians relembra vitória em quartas de final da Libertadores da América 12 e caminho pro título Defesa de Cássio e gol de Paulinho em classificação histórica completam 2 anos 

11h10 23/05/2014 - Especiais Agência Corinthians
© Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians Corinthiano Paulinho celebra a classificação após a partida


Um dos jogos mais emocionantes da história do Sport Club Corinthians Paulista aconteceu em um dia 23 de maio, exatamente como esta sexta-feira. Há exatos dois anos, a Fiel iria da apreensão à euforia em questão de minutos. Corinthians e Vasco disputavam uma vaga para as semifinais da Copa Libertadores da América de 2012. O time carioca teve a chance de encaminhar a classificação, mas foi parado pelo goleiro Cássio. O Timão não perdoou e, com Paulinho, sacramentou a vitória nos minutos finais, como manda a tradição alvinegra.

Era a partida de volta das quartas de final da competição continental, no Pacaembu. No primeiro jogo, em São Januário, a chuva e um campo pesado impediu as equipes de praticar um bom futebol e tirar o zero do placar. Em São Paulo, quem ganhasse se classificava. Um empate com gols dava a vaga para o Vasco. Nova igualdade em 0 a 0 levava a decisão para os pênaltis. Em suma: só a vitória interessava para o Corinthians.

Como esperado, a partida foi muito equilibrada. Chances para ambos os lados. O Timão chegou com perigo no primeiro tempo em um chute de Emerson dentro da área que foi para fora e uma cabeçada de Paulinho – o lance inesquecível já estava sendo ensaiado – que acabou em defesa do goleiro Fernando Prass. Os momentos de emoção viriam na etapa final.

O lance que fez a Fiel prender a respiração ocorreu aos 18 minutos do segundo tempo. Alessandro tentou alçar uma bola para a área e foi interceptado por Diego Souza. O meia vascaíno percorreu mais da metade do campo com a posse da bola. Ao chegar na meia-lua, tentou o chute rasteiro no canto esquerdo do gol corinthiano. Mas aí surgiu o goleiro Cássio, que se tornou um gigante e espalmou com a ponta dos dedos, o suficiente para jogar a bola para fora.

O que provavelmente poucos se recordam – talvez pelo êxtase causado pela conclusão do lance anterior – é que no escanteio cobrado pelo Vasco após a defesa de Cássio, Nilton cabeceou a bola no travessão corinthiano. Minutos depois, também houve uma bola na trave do Timão, em chute de Emerson.

O jogo seguia no 0 a 0, e a decisão se encaminhava para os pênaltis. Foi aos 42 minutos, faltando três mais os acréscimos para o fim, que o Pacaembu veio abaixo. Escanteio para o Corinthians. Alex cobrou, e a bola chegou perfeita no meio da área para Paulinho, que, como disse José Silvério na narração desse gol pela Rádio Bandeirantes, parecia estar voando e chegou aos céus. O então camisa 8 cabeceou para o fundo das redes vascaínas. Um gol de São Jorge que ganhou de São Januário.

O Corinthians segurou o resultado até o apito final e se classificou para as semifinais. O resto da história, a Fiel lembra de cor. Após eliminar Santos e vencer o Boca Juniors na final, o Timão foi, enfim, campeão da Libertadores, de forma inédita, invicta e histórica.